Um país, quatro gráficos. Como está a economia portuguesa?

Governo, Banco de Portugal e instituições internacionais atualizaram as suas projeções para a economia portuguesa. A fotografia que cada um tirou é diferente, mas as tendências são as mesmas.

Menos crescimento, mas menos desemprego. Menos défice e menos dívida. Cinco instituições tiraram uma fotografia recente ao estado da economia portuguesa e as imagens que saíram da máquina mostram um país a corrigir desequilíbrios, mas também a perder gás no crescimento. Tanto este ano como no próximo.

Para este ano, é quase a unânime a ideia de que o PIB vai crescer 2,3% — depois dos 2,7% em 2017. Só a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) põe Portugal a crescer menos, ainda que pouco menos. Para 2019, praticamente todos veem a economia a perder gás, com exceção para o Governo que vê a economia nacional a repetir o crescimento do ano anterior.

A OCDE é neste momento a organização menos otimista quanto à previsão para o crescimento económico deste ano. Para 2019, a maioria das instituições aponta para uma desaceleração, com exceção do Governo e da OCDE.

 

Apesar do abrandamento económico esperado para 2019, o mercado de trabalho vai continuar a melhorar. Este ano, o número de pessoas sem trabalho ainda vai representar mais de 7% da população ativa. Para 2019, a maior parte das instituições acredita que a taxa de desemprego vai passar para a casa dos 6%. Neste campo, o pessimista de serviço é o ministro das Finanças que ainda vê a taxa de desemprego nos 7,2% no próximo ano. Por outro lado, o lugar do mais otimista é ocupado pelo Banco de Portugal.

O mercado e trabalho vai continuar a progredir, mas este ano mais de 7% da população ativa ainda não tem trabalho. Para 2019, o Governo é o mais pessimista embora acredite numa melhoria face a 2018.

 

O atual momento do ciclo económico e no mercado laboral permitem às instituições antecipar progressos na frente orçamental. Todos veem o défice e a dívida a baixar. No saldo orçamental, Bruxelas parece um pouco mais cautelosa na avaliação dos progressos.

A previsão de um défice de 0,7% este ano é praticamente unânime entre as organizações que fazem previsões para o saldo orçamental. Só Bruxelas espera um resultado pior. Para 2019, todos esperam que o défice continue a baixar.
Apesar de todas as organizações esperarem uma redução da dívida em percentagem do PIB, ela vai continuar a rondar a barreira dos 120% este ano e no próximo.

 

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Um país, quatro gráficos. Como está a economia portuguesa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião