Altice mantém “todo o interesse” na compra da Media Capital

Em comunicado enviado à CMVM, a Altice reitera interesse na dona da TVi e diz estar "disponível para prestar todos os esclarecimentos" às autoridades.

A Altice continua interessada em comprar a Media Capital. Em comunicado enviado pela Media Capital à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Altice reafirma a intenção de comprar a empresa dona da TVI, dizendo que está “como sempre esteve, disponível para prestar todos os esclarecimentos às autoridades competentes, e mantendo-se empenhada na concretização da mesma”.

“A Altice Portugal mantém todo o interesse em realizar a aquisição da Media Capital”, refere o comunicado divulgado na madrugada desta sexta-feira pela CMVM.

De acordo com a declaração, a Altice Portugal diz ter recebido, no início da noite de 28 de maio, uma Comunicação da Autoridade da Concorrência no âmbito do procedimento de controlo de concentrações relativo à aquisição, pela sua subsidiária MEO – Serviços de Comunicações e Multimédia, S.A.. Essa comunicação servia para a Autoridade da Concorrência antecipar “que a Decisão Preliminar no âmbito daquele procedimento é a de rejeição dos compromissos que a Altice Portugal se prestou a assumir para a aquisição, pela MEO, da Media Capital”.

No entanto, refere ainda a empresa, “a Altice Portugal aguarda a notificação formal da Decisão Preliminar pela Autoridade da Concorrência, por forma a pronunciar-se ao abrigo do respetivo direito de audiência prévia, antes da emissão de uma Decisão Final”.

A Altice reitera não concordar com o conteúdo da comunicação recebida, “por não refletir o impacto e relevância dos compromissos assumidos pela Altice Portugal para a aquisição, pela sua subsidiária MEO, da Media Capital, em linha com as melhores práticas de mercado e de outras autoridades europeias em transações similares”, sublinhando que a empresa teve oportunidade de referir por por diversas vezes, “os compromissos que considerou razoáveis para que a Autoridade da Concorrência tomasse uma decisão, não estando, por isso, disponível para apresentar quaisquer outros”.

Assim, a Altice reitera que a oferta pública de aquisição obrigatória sobre o capital social da Media Capital anunciada preliminarmente pela MEO mantém-se em vigor, estando o seu registo e lançamento sujeitos às condições regulatórias referidas no anúncio preliminar, incluindo a não-oposição da Autoridade da Concorrência no procedimento de controlo de concentrações acima referido”.

A Autoridade da Concorrência (AdC) chumbou os compromissos propostos pela Altice para comprar a Media Capital, a dona da TVI, e agora cabe ao operador franco-israelita avaliar se apresenta outras medidas que respondam às exigências zdo regulador. A ideia é que estas questões garantam a defesa dos consumidores e a concorrência. Será, de qualquer forma, uma formalidade, porque, na verdade, já ninguém acredita que o negócio venha a fazer-se. É uma telenovela com um final infeliz para os dois protagonistas.

O negócio arrastava-se desde julho de 2017, quando, em conferência de Imprensa, Patrick Drahi e Armando Pereira anunciaram ao mercado a compra da Media Capital por 440 milhões de euros, cm um múltiplo de dez vezes o EBITDA, muito superior às médias de mercado em operações internacionais semelhantes. Logo naquele momento, suscitaram-se dúvidas e os concorrentes da Altice, a NOS e a Vodafone, foram particularmente vocais nos argumentos contra o negócio.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice mantém “todo o interesse” na compra da Media Capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião