Fitch mantém rating de Portugal dois níveis acima de “lixo”

A agência Fitch manteve o rating da dívida de Portugal em BBB, dois níveis acima do patamar considerado investimento especulativo. Também deixou inalterado o outlook em zona "estável".

A agência Fitch manteve o rating da dívida de Portugal em BBB, dois níveis acima do patamar considerado investimento especulativo. Também deixou inalterado o outlook em zona “estável”.

Não surpreendeu a decisão da agência norte-americana anunciada esta sexta-feira, publicada poucos momentos após o fecho das bolsas em Wall Street. Isto sobretudo depois de ter subido a notação de risco da República em dois degraus de uma assentada em dezembro passado, um movimento considerado ousado pelos analistas e que deixava pouca margem para nova melhoria do rating desta vez.

“O rating de Portugal resulta do equilíbrio dos seus pontos fortes institucionais (os indicadores de desenvolvimento humano, governação e rendimento per capita estão todos acima dos pares com rating BBB) e da melhoria dos indicadores macroeconómicos e orçamentais com os muito elevados níveis de dívida pública e externa e vulnerabilidades no setor financeiro”, começa por justificar a Fitch no comunicado que acompanha esta sua decisão.

O tom da mensagem é globalmente positivo, sobretudo na frente económica:

  • Sobre a dívida pública: “Os recentes desenvolvimentos macroeconómicos e orçamentais sustentaram a avaliação da Fitch de que a trajetória da dívida segue uma sólida tendência de queda e a descida do rácio da dívida pública vai continuar a médio prazo”.
  • Sobre a economia: “A Fitch prevê uma desaceleração económica gradual para 2,2% em 2018 e 1,8% em 2019, em linha com o crescimento da Zona Euro. A melhoria das condições do mercado de trabalho sustenta o ímpeto de crescimento subjacente, com a taxa de desemprego a cair para 7,5% em março de 2018. Ao mesmo tempo, não há sinais de aumento da pressão salarial e dos preços, portanto a inflação permanecerá moderada nos próximos dois anos”.
  • Sobre o défice: “Espera-se que a política orçamental restritiva prevaleça no médio prazo, orientada sobretudo pelas regras orçamentais europeias. De acordo com as estimativas da Comissão Europeia, o défice estrutural caiu em 0,9 pontos do PIB em 2017. Isso resultou de um forte esforço de política orçamental anticíclica no auge do ciclo económico. A Fitch prevê que o défice orçamental seja próximo de 1% em 2018 e 2019”.

Menos positiva foi a avaliação da Fitch em relação ao setor financeiro. “As vulnerabilidades do setor bancário continuam a refletir o legado da crise. O rácio do crédito malparada continua elevado, embora tenha recuado para 13,3% no final de 2017. As perspetivas de rentabilidade mantêm-se fracas num ambiente de muito baixas taxas de juro”, explicam os analistas da agência. E sublinham o peso que a recapitalização dos bancos continua a ter nas contas públicas.

“O Novo Banco deverá receber apoio adiciona através do mecanismo de capital contingente em 2018 e 2019. A Fitch estima que os custos orçamentais se situem em torno de 0,4% do PIB em cada ano”, projeta a agência.

Por fim, a Fitch deixa claro quais os motivos que a poderão levar a subir novamente o rating de Portugal:

  • Redução substancial do rácio da dívida face ao PIB;
  • Sinais de crescimento potencial significativamente mais forte no médio prazo, excedendo os 2%, sem comprometer o necessário ajustamento externo;
  • Continuação do forte crescimento das exportações, que levou ao aumento dos excedentes em conta corrente.

(Notícia atualizada às 21h48)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fitch mantém rating de Portugal dois níveis acima de “lixo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião