Bruxelas contra-ataca. Responde a tarifas de Trump com taxas adicionais

Em resposta às tarifas aduaneiras aplicadas por Donald Trump sobre as importações de aço e ferro com origem europeia, Bruxelas vai aplicar novas taxas a uma lista de produtos norte-americanos.

A Comissão Europeia adotou, esta quarta-feira, uma lista de produtos importados dos Estados Unidos, incluindo sumo de laranja, milho e bourbon que vão passar a ser taxados a 25% na alfandega. Em causa estão, segundo o Financial Times, tarifas no valor de 2,8 mil milhões de dólares (2,39 mil milhões de euros).

Numa nota divulgada esta quarta-feira, o executivo comunitário espera concluir os procedimentos necessários com os Estados-membros até final do mês, de modo a que as taxas entrem em vigor em julho.

A decisão adotada, esta quarta-feira, tem como objetivo responder aos danos causados pela aplicação, pelos Estados Unidos da América (EUA) de tarifas aduaneiras adicionais à importação de aço e alumínio da UE, avaliadas em 6,4 mil milhões de euros. E, segundo o vice presidente da Comissão, Jyrki Katainen, a medida conta “com o apoio de todos os Estados membros”, porque “todos estão cientes” que o objetivo é “defender as normas em que assenta o comércio”. “É difícil prever o que o Presidente Trump fará a seguir, mas o que propomos está em conformidade com as regras da OMC e estamos a agir em defesa do nosso interesse legítimo”, acrescentou na conferência de imprensa de apresentação do programa InvestEU.

É difícil prever o que o Presidente Trump fará a seguir, mas o que propomos está em conformidade com as regras da OMC e estamos a agir em defesa do nosso interesse legítimo.

Jyrki Katainen

Vice-presidente da Comissão Europeia

Para já, Bruxelas espera conseguir equilibrar o défice no comércio externo com os EUA em 2,8 mil milhões de euros, ficando 3,6 mil milhões para equilibrar com medidas a adotar nos próximos três anos, depois da Organização Mundial do Comércio conseguir um acordo entre as duas partes. A lista adotada inclui produtos como sumo de laranja, milho doce, bourbon, manteiga de amendoim, arroz e calças de ganga, que passarão a pagar 25% de taxas adicionais. Os baralhos de cartas são a exceção, com uma taxa adicional de 10%.

Para Jyrki Katainen, a comissária Cecilia Malmström “ofereceu uma abordagem construtiva” aos norte-americanos, de modo a que a situação seja “mutuamente vantajosa”. O vice-presidente frisou ainda a disponibilidade da união Europeia para discutir uma eventual “atualização da OMC” e avançar com “uma cooperação regulamentar de modo a, voluntariamente, identificar formas de melhorar as transações de ambos os lados do Atlântico”. “A oferta mantém-se de pé“.

“Se os EUA quiserem melhorar o ambiente de negócios terão sempre um amigo deste lado do Atlântico”, garantiu Katainen, na conferência de imprensa. “É do interesse de ambos tentar circunscrever o problema em vez de o expandir”, acrescentou. “Vamos continuar a persuadir os americanos de que não há razão para agir como estão a agir. O problema restringe-se à própria Administração” Trump, concluiu Katainen.

É do interesse de ambos tentar circunscrever o problema em vez de o expandir. Vamos continuar a persuadir os americanos de que não há razão para agir como estão a agir. O problema restringe-se à própria Administração [Trump].

Jyrki Katainen

Vice-presidente da Comissão Europeia

Em março, os EUA anunciaram a aplicação de taxas adicionais às importações de aço (25%) e de alumínio (10%), que entraram em vigor a 31 de maio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas contra-ataca. Responde a tarifas de Trump com taxas adicionais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião