China propõe gastar 70 mil milhões em produtos norte-americanos. Mas só se Trump desistir das tarifas

A China propõe importar 70 mil milhões de dólares em produtos agrícolas e energéticos oriundos dos EUA, mas só se Donald Trump desistir dos impostos sobre as importações chinesas.

A China propôs comprar cerca de 70 mil milhões de dólares em produtos agrícolas e energéticos com origem nos Estados Unidos, mas apenas se Donald Trump desistir das tarifas sobre as importações chinesas, avançou o The Wall Street Journal [acesso pago], que cita fontes conhecedoras das negociações. Esta é uma informação nova que surge numa altura em que responsáveis das duas maiores economias do mundo se sentam à mesa, no sentido de tentar evitar uma guerra comercial.

Entre os produtos que a China propõe adquirir ao abrigo desta proposta encontra-se a soja e o milho, mas também o gás natural, o petróleo e o carvão. A lista de compras poderá chegar aos 70 mil milhões de dólares no primeiro ano. Contudo, para avançar, o Presidente dos Estados Unidos terá de esquecer as tarifas que anunciou sobre importações de produtos chineses.

A China tenta assim pôr água na fervura, depois de os Estados Unidos terem garantido existir um fosso nas importações e exportações bilaterais. Concretamente, Donald Trump tem reiteradamente falado de um défice comercial de 375 mil milhões de dólares entre os dois países, desfavorável aos EUA.

Desconhece-se a posição dos oficiais norte-americanos sobre esta proposta do país liderado por Xi Jinping. A possibilidade de uma guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo tem vindo a provocar ondas de choque que já afetaram os mercados internacionais em vários dias de negociações.

Reações às tarifas também já chegaram do México, e não são amigáveis

O México respondeu de maneira diferente dos chineses à decisão norte-americana de impor tarifas ao aço e alumínio importados do México, Canadá e União Europeia. As autoridades mexicanas vão retaliar impondo tarifas sobre produtos siderúrgicos e agrícolas dos EUA.

A lista de novas taxas, que vão de 15% a 25%, foi publicada esta terça-feira pelo Ministério da Economia no jornal oficial do governo mexicano. Inclui tarifas de 20% sobre as importações de carne suína, maçãs e batatas dos EUA e taxas de 20% a 25% em alguns tipos de queijos e bourbon. Está ainda prevista uma quota de 350 mil toneladas livres de tarifas para importações de pernil e pernas de porco de outros países. O peso mexicano desvalorizou 1,6% em relação ao dólar na passada segunda-feira, depois de ser conhecido o plano de impor uma tarifa de 20% sobre a carne de porco americana.

(Notícia atualizada às 18h13 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China propõe gastar 70 mil milhões em produtos norte-americanos. Mas só se Trump desistir das tarifas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião