Aviões sem janelas? Sim, é o futuro, segundo a Emirates

  • ECO
  • 7 Junho 2018

O presidente da companhia aérea acredita que o futuro da aviação está nos aviões sem janelas, permitindo assim que sejam mais leves e mais rápidos. Mas também mais económicos.

A Emirates, principal companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos, fez algumas alterações nas cabines de primeira classe do Boeing 777. As suites do centro do corredor contam com janelas virtuais, as primeiras no setor da aviação. Mas, no futuro, a ideia é que não haja qualquer janela em todo o avião.

As janelas virtuais introduzidas nas novas suites reproduzem em direto o que acontece no exterior do avião, através de ecrãs que transmitem em tempo real o que as câmaras estão a filmar.

Tim Clark, presidente da companhia, acredita que as outras companhias aéreas começarão a fazer o mesmo com os seus aviões. Segundo a empresa, este avião começou a funcionar no passado dia 1 de dezembro, quando voou para Genebra e até Bruxelas.

No entanto, o presidente da Emirates quer ir mais longe com esta ideia. Avançou à BBC que, no futuro, o plano é desenhar aviões sem janelas. Sem nenhuma janela, mesmo.

“A cabine seria mais leve, o avião podia voar mais rápido e mais alto e consumir menos combustível”, disse. Além disso, para Clark, as imagens que se veem através de janelas virtuais são “muito boas, melhores até que a vista natural”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aviões sem janelas? Sim, é o futuro, segundo a Emirates

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião