Bruxelas volta a fazer mira à Google. Agora é por causa do Android

  • Juliana Nogueira Santos
  • 7 Junho 2018

No ano passado a Google foi alvo da maior multa de sempre -- 2,4 mil milhões de euros. Agora, devido ao seu sistema operativo para smartphones, a fatura pode atingir os 11 mil milhões.

Depois de ter sido alvo da maior multa alguma vez aplicada por Bruxelas a uma empresa, a Google prepara-se para ser outra vez atingida. Desta vez, a Comissão Europeia acusa a empresa de abusar da sua posição dominante no mercado dos sistemas operativos. E a multa pode ir até 11 mil milhões de dólares.

O castigo é divulgado esta quinta-feira pelo Financial Times (acesso pago) e fecha uma das três investigações levadas a cabo pela equipa da comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager. O desfecho será anunciado nas próximas semanas, como apontaram fontes próximas do processo ao jornal.

Em causa está a imposição de regras ilegais aos fabricantes dos aparelhos equipados com o sistema operativo da empresa liderada por Sundar Pichai e que causaram danos à concorrência e limitaram o direito de escolha dos consumidores. Bruxelas afirma que as condições de licenciamento do Android favorecem outros produtos e serviços da Google, tais como o Chrome e o Google Play.

O valor deste castigo milionário ainda não é conhecido, mas a instituição liderada por Vestager pode aplicar uma multa de até 11 mil milhões de dólares à Google, ou seja, 10% das receitas da sua casa-mãe, a Alphabet.

Em junho do ano passado, a multa de Bruxelas aplicada à Google era de mais de 2,4 mil milhões de dólares por a empresa ter abusado da posição dominante no mercado dos motores de busca. As autoridades europeias consideraram que a tecnológica tinha, durante muito tempo, enviesado os resultados das pesquisas a seu favor, dando vantagem aos seus produtos e serviços.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Bruxelas volta a fazer mira à Google. Agora é por causa do Android

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião