A tempo do Mundial, Placard salta das papelarias para a internet com apostas a partir de dez cêntimos

  • Juliana Nogueira Santos
  • 11 Junho 2018

Se deposita todas as suas esperanças na equipa portuguesa, saiba que já pode apostar nela através do Placard, sem sair de casa.

Já não precisa de sair de casa para apostar nas suas equipas favoritas. O Placard passou esta segunda-feira das papelarias e casas de apostas para o online, permitindo agora aos utilizadores registarem os seus boletins através da internet.

A plataforma Placard.pt, que não vem substituir o jogo nos mediadores da SCML, é lançada mesmo a tempo do Mundial 2018. Foi lançado pela SAS Apostas Sociais, Jogos e Apostas Online, contando com quatro acionistas além da Santa Casa: União das Misericórdias Portuguesas, a Fundação Montepio Geral, a Cáritas Portuguesa e a ACAPO.

Como já acontece com os restantes jogos da Santa Casa, uma parte das receitas desta nova plataforma de apostas será canalizada para instituições de solidariedade social. O Placard.pt está já pronto a receber as suas apostas em 22 modalidades diferentes, incluindo o ténis, o basquetebol e o futebol americano. O montante mínimo para qualquer aposta é de dez cêntimos.

E como estão as probabilidades para Portugal nesta plataforma 100% nacional? Na página dedicada ao Mundial, a seleção nacional não é a favorita no primeiro confronto, que será com Espanha, mas vai à frente na partida contra Marrocos. Em caso de vitória da equipa das quinas no primeiro jogo, os ganhos poderão ir aos 4,5 euros por euro apostado, enquanto no segundo serão de 1,62 euros.

Em 2017, o Placard deu às contas da Santa Casa da Misericórdia um impulso de 502 milhões de euros, um valor que avançou 30% relativamente ao ano anterior. “A nossa oferta ficou essencialmente marcada pelo crescimento do Placard que, mais uma vez, veio superar as melhores perspetivas sobre a evolução deste jogo”, pode ler-se no Relatório de Contas da instituição.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A tempo do Mundial, Placard salta das papelarias para a internet com apostas a partir de dez cêntimos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião