Portugal pode afirmar-se na Rússia com o Mundial de futebol, defende embaixador

  • Lusa
  • 9 Junho 2018

O embaixador de Portugal na Rússia defende que o Mundial de futebol, que arranca na quinta-feira, é uma oportunidade para Portugal se afirmar naquele país, que acolhe a competição.

O embaixador de Portugal na Rússia, Paulo Vizeu Pinheiro, considera que o Mundial de futebol de 2018, que começa na quinta-feira, é uma excelente oportunidade para o país se afirmar no Mundo e na Rússia. “O mundial é a oportunidade para mostrarmos um Portugal moderno, competitivo e acolhedor, e que somos uma ligação não só à comunidade lusófona, mas com muitos outros países com quem temos relações privilegiadas”, sintetizou.

Em declarações à Lusa, o diplomata defende que esta é também uma chance para Portugal “ser um parceiro singular na diversificação económica e na modernização económica da Rússia”. Destaca a conjunção que é para os empresários lusos o mercado de 145 milhões de russos e revelou que, por isso, trabalha para que haja “mais mobilidade entre Portugal e a Rússia, entre portugueses e russos”.

“Putin (Vladimir, o presidente russo) tem feito várias referências aos saltos tecnológicos e abertura aos talentos. A Rússia ainda tem uma económica pouco diversificada, muito concentrada em algumas matérias-primas. Tem feito muitas reformas estruturais, tem estabilidade macroeconómica, um sistema financeiro estável, rendimento médio a aumentar, uma classe media que tem viajado bastante e tem ido a Portugal”, exemplificou.

Em conjuntura de crescente tensão entre a Rússia e o mundo ocidental, Portugal é visto no anfitrião do Mundial como um “país amigo”, considerando que isso se deve ao facto das autoridades lusas terem mantido uma atitude coerente e promovido um excelente trabalho para salutares relações institucionais. “Estamos a viver um bom momento, não obstante os condicionalismos conhecidos internacionais, no quadro da União Europeia e da NATO. Portugal tem defendido que as dificuldades sejam resolvidas pelo diálogo e cooperação”, justificou.

Aos adeptos portugueses que vieram ao Mundial, garante que a Rússia é “segura” e que os visitantes vão descobrir um “país moderno, com boas infraestruturas e uma grande potência em vários domínios, incluindo o cultural”. “Aqui, na embaixada, estamos todos a trabalhar para o mesmo propósito. Quem está aqui a trabalhar, também põe a nossa bandeira e a nossa camisola”, concluiu. Portugal integra o Grupo B do Mundial e joga a 15 de junho com a Espanha, em Sochi, a 20 em Moscovo, com Marrocos, e a 25 com o Irão, em Saransk.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal pode afirmar-se na Rússia com o Mundial de futebol, defende embaixador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião