CGD fecha 70 balcões este mês. Dá cartão de débito para compensar os clientes

  • Rita Atalaia
  • 11 Junho 2018

O banco liderado por Paulo Macedo vai fechar 70 balcões até ao final do mês de junho. Para compensar os encerramentos, a CGD vai disponibilizar gratuitamente, durante um ano, um cartão de débito.

O banco liderado por Paulo Macedo vai fechar 70 balcões até ao final do mês de junho, reforçando a aposta no digital. Para compensar os clientes dos balcões que fecham, a maioria na Grande Lisboa e Grande Porto, a CGD vai disponibilizar gratuitamente, durante um ano, um cartão de débito. Ou seja, ficam isentos da comissão.

“Tal como a Caixa Geral de Depósitos, em diversas circunstâncias já afirmou publicamente, este ano serão encerrados cerca de 70 balcões, a maioria dos quais no final do presente mês de junho”, afirma o banco estatal num comunicado enviado às redações, garantindo que “nas agências que encerrou recentemente, a Caixa manteve mais de 95% dos seus clientes”.

“As agências a encerrar foram objeto de análise e, além da sua atividade e resultado económico, foram tidas em consideração questões como as acessibilidades a outras agências da CGD e a mobilidade da população, resultando deste facto que a maioria das agências a encerrar se situe nos maiores centros urbanos do país, com destaque para a Grande Lisboa e o Grande Porto“, refere ainda a CGD. “O banco está, pois, a promover a crescente interação com os clientes à distância.”

"Nas agências que encerrou recentemente, a Caixa manteve mais de 95% dos seus clientes, bem como os seus níveis de envolvimento.”

Caixa Geral de Depósitos

Para compensar os clientes cujos balcões vão ser encerrados, a instituição financeira vai oferecer um cartão de débito que, tendo em conta o preçário atual da CGD, tem um custo anual de 18 euros. “Para obviar aos naturais transtornos, a CGD irá disponibilizar gratuitamente, durante um ano, um cartão de débito para utilização nas áreas automáticas e ATMs existentes em todo o território nacional e internacional”, refere o banco estatal.

Além disso, diz a CGD, os “clientes têm à disposição o acesso aos serviços bancários à distância, como o Caixa Direta, através do telefone, da internet ou de aplicações que funcionam 24 horas por dia, sete dias por semana. A aplicação caderneta digital é também um serviço sem custos que está disponível para os clientes”.

Fecham 70. Só se conhecem 10

Foi no ECO24 que Paulo Macedo revelou a meta da CGD: “A Caixa vai fechar 70 a 80 balcões este ano”, referiu então o presidente do banco estatal, sem revelar as zonas geográficas que seriam afetadas. Recorde-se que, no ano passado, em resultado do plano de reestruturação aprovado por Bruxelas no âmbito da injeção de 5.000 milhões de euros no banco, a CGD fechou 64 balcões.

Esta segunda vaga de encerramentos, tal como a primeira, tem provocado algumas manifestações por todo o país, sendo que ainda não se sabem todos os balcões afetados. Os moradores de Alhandra, no concelho de Vila Franca de Xira, foram os primeiros a protestar para “denunciar e impedir” o encerramento. Logo de seguida, foi a vez de Pedras Salgadas, do concelho de Vila Pouca de Aguiar, e depois Louriçal, em Pombal. E agora Darque, em Viana do Castelo.

"Para obviar aos naturais transtornos, a CGD irá disponibilizar gratuitamente, durante um ano, um cartão de débito para utilização nas áreas automáticas e ATMs existentes em todo o território nacional e internacional.”

Caixa Geral de Depósitos

Os protestos também chegaram a Viseu. Aqui, vai encerrar o balcão de Rua Formosa, o que é “menos problemático para as populações”, revelou o presidente da Câmara de Viseu ao ECO. O problema será o fecho da agência de Abraveses, que “não só serve dez mil habitantes da freguesia, como permite, na proximidade, servir uma população global de mais de 21 mil habitantes das freguesias vizinhas e do norte do concelho de Viseu”, afirmou Almeida Henriques.

A estes seis balcões juntaram-se entretanto outros quatro: Alves Roçadas (Vila Real). Prior Velho (Loures), Grijó e Arcozelo (Vila Nova de Gaia). Em relação aos restantes balcões, a CGD não faz comentários.

(Notícia atualizada às 16h06 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD fecha 70 balcões este mês. Dá cartão de débito para compensar os clientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião