Plano de recuperação da Oi validado pela justiça holandesa

A telecom brasileira, participada da Pharol, viu o seu plano de recuperação judicial, que prevê a conversão de dívida em capital, ser validado pela justiça holandesa.

Mais um passo rumo à concretização do plano de reestruturação da Oi. A telecom brasileira, participada da Pharol, viu o seu plano de recuperação judicial que prevê a conversão de dívida em capital ser validado pela justiça holandesa.

A confirmação foi dada através de um comunicado da Oi enviado à CMVM pela portuguesa Pharol, nesta segunda-feira. Nesse documento é dado a conhecer que os planos de recuperação das subsidiárias holandesas da operadora brasileira oi — PTIF e Oi Brasil Holdings Cooperatief UA — foram aprovados pelo tribunal de Amesterdão.

A telecom brasileira dá conta de que “de acordo com o Código de Falências Holandês, os Planos foram aprovados por credores da PTIF e da Oi Coop respetivamente em reuniões de verificação realizadas em 1 de junho de 2018”, acrescentando que “o Tribunal de Amesterdão subsequentemente confirmou os Planos na audiência de homologação”.

Após essa validação, a Oi dá ainda nota que a decisão de homologação do seu plano de reestruturação “está sujeita a um prazo de oito dias para recurso“, data a partir da qual “os planos terão efeito e, de acordo com a Lei Holandesa, a PTIF e a OI Coop sairão do estado de falência”.

Foi no início deste ano que a justiça brasileira aprovou o plano de recuperação judicial da Oi. Além da Holanda decorrem ainda processos de reconhecimento ao plano nos EUA e em Portugal.

Entretanto, já no final de maio, a Oi deu conta que a reestruturação da sua dívida a ajudou a regressar aos lucros no primeiro trimestre deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Plano de recuperação da Oi validado pela justiça holandesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião