CEO da Galp está confiante no papel de Moçambique no mercado global do gás

Gomes da Silva acredita que, na próxima década, será Moçambique a dar resposta ao aumento da procura por gás natural provocada pelo forte crescimento do consumo chinês.

Os próximos dez anos serão “a década de Moçambique”. Quem o diz é o líder executivo da Galp, Carlos Gomes da Silva, que acredita que esse país africano deverá assumir um papel estratégico no mercado global do gás natural. Apesar de confiante, em entrevista ao Financial Times, o CEO deixa um aviso: Moçambique tem de evitar ser engolido pelos custos de produção tal como aconteceu com projetos australianos semelhantes.

A Galp está presente nesse país através de uma participação de 10% na Coral Sul. “Estamos a trabalhar para otimizar e para ver se conseguimos ser mais competitivos”, salienta Gomes da Silva sobre esse projeto, que também é participado pela italiana Eni e pela sul-coreana Kogas.

O responsável explica ainda que, apesar da Coral Sul estar numa “boa posição”, é preciso assegurar que beneficia de uma boa execução, já que enfrenta como competidores os gigantes norte-africano, norte-americano e, é claro, do Médio Oriente. Por isso, Gomes da Silva defende que, mais do que cumprir um calendário a qualquer custo, o projeto quer manter os preços baixos da produção. A produção de gás natural liquefeito da Coral Sul deverá arrancar em 2022.

Gomes da Silva está confiante no contributo de Moçambique para o mercado global de gás natural.Paula Nunes / ECO

Moçambique saciará necessidades chinesas

Na próxima década, o forte crescimento das economias emergentes e do consumo chinês de gás natural deverão deixar, no mercado internacional, um vazio que os atuais produtores não serão capazes de saciar. Moçambique poderá vir a preencher essa procura, adianta Gomes da Silva.

“Haverá uma falha no mercado global de gás natural e o nosso projeto encaixa bem com essa lacuna”, afirma o gestor. A Coral Sul está entre os novos projetos da Galp, que permitiram à energética ser uma das melhores empresas do setor, a nível europeu.

No primeiro trimestre deste ano, a gigante portuguesa viu os seus lucros subirem 74% para 135 milhões de euros, sobretudo impulsionados pelos seus projetos brasileiros. Até março, a produção média de petróleo da Galp aumentou 18% e fixou-se acima dos 100 mil barris.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CEO da Galp está confiante no papel de Moçambique no mercado global do gás

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião