A receita de Regling para Portugal

O responsável pelo MEE defendeu, em Lisboa, que Portugal deve aproveitar a conjuntura atual para baixar a dívida pública através do controlo da despesa.

O presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) defendeu esta segunda-feira que o Governo português deve aproveitar o bom momento para reduzir a dívida, através do controlo da despesa pública. Ao mesmo tempo que fez o aviso, Klaus Regling deixou a receita para Portugal, ao identificar o conjunto de desafios que o país ainda tem pela frente.

“Portugal é um dos exemplos claros da abordagem bem-sucedida da Europa na resposta à crise do euro”, disse o responsável do MEE em Lisboa, numa conferência organizada pelo jornal Público sobre “O futuro do Mecanismo Europeu de Estabilidade”. Apesar disso, o país tem “ainda desafios pela frente”, apontou.

“O elevado nível de dívida pública do país torna-o vulnerável, e o Governo deve usar o ambiente atual favorável para reduzir a dívida através do controlo da despesa pública. Escusado será dizer que, uma vez que o ciclo vire, será mais difícil resolver estes problemas.” Ou seja, a ideia é que a dívida pública baixe de uma forma sustentável e não com a ajuda do crescimento económico.

É, por isso, que Regling se socorre das reformas sugeridas pela Comissão Europeia como receita para Portugal. “As perspetivas para os próximos anos são menos otimistas, já que o crescimento económico deverá voltar ao seu potencial. Assim, Portugal deve manter o espírito reformista”.

Numa conferência que teve o ministro das Finanças, Mário Centeno, a fazer o encerramento e seguindo o guião deixado por Bruxelas, o responsável do MEE deixou então as soluções:

  • Melhorar as qualificações da população ativa adulta, incluindo a literacia digital;
  • Tornar a cobrança de impostos e o controlo da despesa mais efetivo;
  • Tornar o sistema de pensões mais sustentável;
  • Melhorar o desempenho das empresas públicas;
  • Reformar o sistema judiciário;
  • Dar atenção aos bancos menos rentáveis e aos elevados níveis de crédito malparado nos balanços dos bancos.

O responsável pelo MEE defendeu ainda a resposta da Europa à crise e destacou o atual momento que a economia europeia vive. “Como resultado, a economia europeia está agora bem.” Mas também no bloco europeu existem riscos no horizonte.

Regling argumentou que “a nível europeu devíamos usar o momento favorável para resolver as fragilidades na arquitetura na união monetária“, primeiro completando a união bancária e segundo desenvolvendo uma abordagem no MEE um mecanismo de resolução de crises mais abrangente. Quanto a instrumentos orçamentais, Regling admite que há menos consenso.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A receita de Regling para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião