Mário Centeno quer completar União Bancária este ano

  • Lusa
  • 20 Março 2018

Para o presidente do Eurogrupo, a União Bancária é uma prioridade europeia que espera ver concretizada este ano. Centeno comentou a eventual guerra comercial. "É importante manter economias abertas"

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, disse que completar União Bancária é uma prioridade na União Europeia, que poderá acontecer este ano, em entrevista à Bloomberg.

“A União Bancária é uma prioridade. Temos uma cimeira esta semana que é vista um pouco como um pit stop [paragem rápida] para junho. Completar a União Bancária, com os três pilares, será uma grande conquista para nós neste ano”, afirmou Centeno em Buenos Aires, capital da Argentina, onde está a participar na reunião do G20.

A futura União Bancária é composta por três pilares: o Mecanismo Único de Supervisão é o primeiro e já está operacional, a cargo do Banco Central Europeu (BCE), que supervisiona diretamente os principais bancos europeus, caso dos portugueses Caixa Geral de Depósitos, BCP e Novo Banco.

O segundo pilar é o Mecanismo Único de Resolução e cabe-lhe a resolução e/ou reestruturação dos bancos em risco de bancarrota. O objetivo é de estar dotado com 55 mil milhões de euros até 2024, valor que virá das contribuições dos bancos. Terá ainda a possibilidade de se financiar nos mercados através de emissão de dívida.

Por fim, o terceiro pilar é o Fundo de Garantia de Depósitos comum. Esta parte do processo é que está mais atrasada, havendo muitas dúvidas sobre a sua concretização, com muitos países a colocarem entraves, como a Alemanha, devido à mutualização do risco.

Ainda sobre o sistema bancário europeu, afirmou Centeno que os bancos europeus reduziram, no ano passado, 25% do crédito malparado e considerou que a Itália está a fazer um “grande trabalho” na reestruturação do seu setor financeiro.

Precisamos de fazer mais, mas estamos a fazer muito”, vincou, na entrevista à Bloomberg TV.

Guerra comercial? “É importante manter economias abertas”

O também ministro das Finanças de Portugal falou ainda sobre as relações comerciais entre a União Europeia e os EUA da América, quando há imposição de novas tarifas sobre aço e alumínio, referindo que estão “em constante diálogo com a administração dos EUA”.

“Consideramos que é muito importante manter as nossas economias abertas. Se há uma coisa em que concordamos é que o comércio livre e justo é positivo para as nossas economias”, afirmou.

O objetivo da UE é que seja encontrada uma solução que possa evitar um conflito comercial, numa altura em que a Europa ameaça adotar medidas de retaliação em relação aos produtos norte-americanos.

Sobre a reforma fiscal nos EUA, Centeno considerou que a concorrência fiscal é um risco, mas considerou que as reformas fiscais são um instrumento importante para a política económica dentro dos países.

Quanto à Grécia, disse esperar que saia do programa de resgate em agosto considerando as melhorias orçamentais e, sobre a possibilidade de um alívio da dívida, afirmou que estará “no pacote” de discussão.

Mário Centeno está na Argentina enquanto presidente do Eurogrupo, grupo que reúne os países que partilham o euro.

Já o G20 é grupo dos 20 países mais desenvolvidos e industrializados do mundo, sendo constituído por África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, EUA, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Reino Unido, Rússia, Turquia e União Europeia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mário Centeno quer completar União Bancária este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião