União bancária é maior prioridade a nível europeu, diz Centeno

  • Lusa
  • 19 Abril 2018

Nos Estados Unidos, Mário Centeno defendeu a paciência como virtude essencial na política e adiantou que a união bancária é a maior prioridade a nível europeu.

O ministro das Finanças considerou, esta quinta-feira, que a união bancária é a maior prioridade a nível europeu e que uma das tarefas mais difíceis ao chegar às Finanças foi recuperar o controlo do processo de assistência financeira.

No final de uma intervenção sobre a recuperação económica de Portugal, feita esta noite na Universidade de Harvard, em Boston, Mário Centeno foi questionado sobre a maior prioridade para a reforma da zona euro, e respondeu que o mais importante era “complementar a união bancária”.

O ministro e também presidente do Eurogrupo acrescentou que “ainda há muitas coisas a implementar” e reconheceu que a união bancária “por si própria não resolve tudo, e deverá precisar de uma implementação faseada”.

Na sessão, que decorreu no Centro de Estudos Europeus da conhecida universidade norte-americana com o título “A recuperação Económica de Portugal: de doente a exemplo” [Portugal’s Economic Recovery: From Sick Man to Poster Boy, no original], Mário Centeno passou em revista os principais indicadores macroeconómicos recentes.

O ministro fez uma comparação com os números do período de assistência financeira e argumentou que uma das tarefas mais difíceis, mas também mais eficazes, ao chegar ao Ministério das Finanças, foi recuperar o controlo do processo de ajustamento.

Questionado sobre que conselhos daria à Grécia, o ministro das Finanças respondeu com a palavra ‘ownership’, significando posse ou controlo, e explicou: “Recuperar o controlo do processo é a única maneira de mostrar que há alternativas sobre o que está em cima da mesa”.

Na intervenção feita para uma plateia académica, com várias perguntas a serem feitas por portugueses, Mário Centeno defendeu a paciência como uma virtude essencial em política, por oposição ao populismo.

“A paciência é um ingrediente chave para uma implementação eficaz das reformas e o Estado é o principal fornecedor desse precioso bem”, disse o ministro, para concluir que “reganhar competitividade requer paciência”.

Noutra pergunta, que pediu um comentário às ações políticas do Governo liderado por Pedro Passos Coelho e Paulo Portas durante o período de ajustamento financeiro, Mário Centeno respondeu: “Para ser perfeitamente honesto, penso que as expectativas foram mal geridas, houve um sentimento de austeridade que não foi transferido para as decisões tomadas em modo de pânico”.

O ministro das Finanças viaja ainda hoje de Boston para Washington, onde vai intervir num painel sobre a reforma da Zona Euro, nos Encontros da Primavera, do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial, antes de uma palestra no Atlantic Council com o título “Completando o Projeto Europeu”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

União bancária é maior prioridade a nível europeu, diz Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião