Crise já não assusta. Empresas estão mais preocupadas com os ciberataques

  • Juliana Nogueira Santos
  • 19 Abril 2018

Segundo o estudo da consultora Marsh, a principal preocupação do tecido empresarial português passou do dinheiro para os computadores.

Por entre a iminência de uma guerra nuclear, as consequências do aquecimento global, a instabilidade política e social e as mudanças do panorama tecnológico, são muitos os riscos para os quais as empresas têm de estar preparadas. Mas, se no tempo em que o cinto estava mais apertado, era a instabilidade da crise que fazia tremer os empresários, isso já não é o que acontece atualmente. Pelo menos as conclusões da Marsh apontam para tal.

Segundo o estudo “A Visão das Empresas Portuguesas sobre os Riscos” da consultora, que teve como base as respostas de 170 empresas que atuam em território nacional, o risco que reúne mais preocupação é o que envolve os ataques cibernéticos. E não é algo que afeta só o seu negócio. Enquanto 57% dos inquiridos afirmam que este é um risco que a sua empresa vai enfrentar diretamente, 65% do grupo caracteriza este como um risco à escala global.

Fazendo a análise desde 2016, este risco avançou da quinta posição na preocupação dos empresários para a primeira. Em 2016, era um risco considerado por 25% dos inquiridos, sendo que, em 2017, passou a ser considerado por 36%. Já em 2018, as preocupações com a internet ultrapassaram fatores como a concorrência ou a retenção de talentos. Para além disto, 19% dos inquiridos estão preocupados com o roubo ou fraude de dados.

A consultora, pela voz de Fernando Chaves, especialista de risco, justifica: “Os ataques cibernéticos ocorridos em 2017 à escala mundial, como o WannaCry, os largos meses que vimos falando da entrada em vigor do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) no próximo mês de maio, e a consciência de que muitos dos conflitos interestatais se passam, cada vez mais, no ciberespaço, influenciou a escalada de perceção sobre os riscos cibernéticos, seja por via de ataques, seja pelo roubo ou fraude de dados.

O estudo destaca ainda que o risco de crise financeira desapareceu da lista dos cinco principais riscos a enfrentar, traduzindo-se assim na “confiança na melhoria da economia portuguesa”.

A evolução das principais preocupações das empresas de 2016 até 2018.Marsh

Esta preocupação é também reiterada pelas empresas na primeira voz. Ao ECO, André Azevedo, diretor nacional de tecnologia da Microsoft Portugal disse que a cibersegurança é encarada pela empresa como “uma das mais importantes causas da nossa era”.

“Para uma empresa líder em tecnologia como a Microsoft a aposta na segurança é matricial pois dela depende a confiança no conjunto do ecossistema. Impedir que estas ferramentas digitais que enriquecem as nossas vidas sejam usadas de forma criminosa deverá ser hoje uma prioridade para pessoas, organizações e governos”, aponta ainda, afirmando que a empresa tem uma equipa de 3.500 especialistas na área.

"Impedir que estas ferramentas digitais que enriquecem as nossas vidas sejam usadas de forma criminosa deverá ser hoje uma prioridade para pessoas, organizações e governos.”

André Azevedo

Microsoft Portugal

Já a retalhista Jerónimo Martins garante que “a segurança da informação é, obviamente, uma preocupação para todas as empresas, sobretudo para as que suportam os seus processos de negócio na tecnologia”, concretizando este sentimento com uma direção dedicada à segurança da informação, que para além de planear, implementar e garantir a manutenção dos serviços de gestão, também preparam a resposta a incidentes.

E é exatamente este caminho que, segundo a consultora, se deve seguir. O responsável da Marsh afirma que a prevenção é a solução. “Perante o destaque dos riscos tecnológicos, aconselhamos seriamente a análise do impacto que estes podem ter na continuidade do negócio, nos resultados das empresas e nos danos que podem gerar a terceiros”, aponta Fernando Chaves.

“Importante destacar o facto de que este risco não está habitualmente transferido para soluções de seguro e que o seu impacto financeiro pode ser considerável, seja qual for a dimensão da empresa”, conclui ainda.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crise já não assusta. Empresas estão mais preocupadas com os ciberataques

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião