Presidente quer soluções para problema das desigualdades do interior até 2023

  • Lusa
  • 16 Junho 2018

O Presidente da República defendeu uma meta de cinco anos, até 2023, para resolver o problema das desigualdades entre litoral e o interior.

O Presidente da República defendeu uma meta de cinco anos, até 2023, para resolver o problema das desigualdades entre litoral e o interior, sob pena de o país falhar como um todo.

Num curto artigo no Público, intitulado “Se não formos capazes, falhámos como país”, um ano depois dos incêndios em Pedrógão Grande, que fizeram 66 mortos, Marcelo Rebelo de Sousa alerta que minorar as desigualdades é “uma oportunidade histórica” e há um prazo para o fazer.

“Até ao fim da próxima legislatura se perceberá se somos ou não capazes de corrigir as assimetrias existentes, de ultrapassar as desigualdades que teimam em permanecer. É, pois, um desafio que começa na ponta final desta legislatura e que se prolonga para a próxima”, lê-se no texto.

O risco de falhar, alertou, tem consequências graves. “Se formos capazes de fazer reviver até 2023 o que importa que reviva, Portugal será diferente. Se não formos capazes, perdemos uma oportunidade histórica e condenamos alguns ‘Portugáis’ a serem muito ignorados, muito esquecidos, muito menosprezados e isso significa que falhámos como país”, escreveu no artigo no Público.

E repete a ideia, em declarações ao semanário Expresso: “Temos até 2023 para conseguir alterar esta realidade do desequilíbrio entre os vários ‘Portugais’. Só se enfrenta esta questão se houver um reequilíbrio económico e social, que permita ultrapassar as desigualdades enormes que existem.”

Tanto ao Público como ao Expresso, o Presidente recorda o que se passou há um ano, com os incêndios de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, que depois alastraram aos concelhos vizinhos, admitindo que muitos portugueses só “abriram os olhos” para realidade do interior depois dos incêndios do Verão passado.

“Olhando para o passado, importa retirar as lições desse passado no que falhou. Falhou por razões estruturais, falhou por razões conjunturais, falhou por motivos que se prendem com sistemas, orgânicas, políticas. Falhou também, eventualmente, no que diz respeito à intervenção dos seres humanos, concretos”, escreveu ainda no Público.

O incêndio que deflagrou há um ano em Pedrógão Grande (distrito de Leiria), em 17 de junho, e alastrou a concelhos vizinhos provocou 66 mortos e cerca de 250 feridos. As chamas, extintas uma semana depois, destruíram meio milhar de casas, 261 das quais habitações permanentes, e 50 empresas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente quer soluções para problema das desigualdades do interior até 2023

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião