Príncipe francês quer tornar a Comporta numa “Utopia”

  • ECO
  • 16 Junho 2018

Louis-Albert de Broglie é um dos três interessados que já avançaram propostas para a compra da Comporta. O príncipe francês diz que quer torná-la num "bom projeto com ambições sociais e ambientais".

Louis-Albert de Broglie, um dos três interessados na Comporta, já tem planos para a região. O príncipe francês quer torná-la num “bom projeto com ambições sociais e ambientais”, através da criação de centros de produção biológica, incubação de startups de alimentação saudável, reciclagem e um museu. Este potencial comprador, que concorre diretamente com o consórcio de Paula Amorim e Claude Berda e da Oakvest, quer tornar a Comporta numa “Utopia”.

Para o príncipe francês Louis-Albert de Broglie, a Comporta é um “laboratório de produção ecológica, biodiversidade e cultura que pode ser um exemplo para o mundo”, afirma ao Expresso (acesso pago). Por isso, para este investidor, “não se podem reproduzir os erros feitos no Algarve, em França ou em Espanha” nesta região.

“É uma responsabilidade de Portugal ter um projeto nacional para refazer a Comporta, garantindo que não é destrutivo e vai trazer economia ao território. O mundo inteiro vai querer vir aqui para ver como se faz um bom projeto com ambições sociais e ambientais”, afirma o príncipe francês, que designa o seu projeto para a região de “Utopia”, que “significa o futuro do amanhã, segundo Victor Hugo”, explica.

"É uma responsabilidade de Portugal ter um projeto nacional para refazer a Comporta, garantindo que não é destrutivo e vai trazer economia ao território. O mundo inteiro vai querer vir aqui para ver como se faz um bom projeto com ambições sociais e ambientais.”

Louis-Albert de Broglie

Na área que está à venda, Louis-Albert de Broglie propõe-se a fazer apenas 15% do imobiliário previsto pelo grupo Espírito Santo. O resto será ocupado por sete centros dedicados a produção biológica, incubação de startups de alimentação saudável, conferências, reciclagem ou medicina reconectiva. Isto além de um museu de arte contemporânea em forma de arca de Noé e uma escola Blue School (ensino assente na reconexão com a natureza).

A parte turística ficaria integrada nestes centros, com o de medicina reconectiva a oferecer um hotel com 80 quartos “gerido por uma das maiores marcas internacionais”.

O projeto de Louis-Albert de Broglie é apresentado numa altura em que os gestores de insolvência do GES alertam para o “risco real” de falência da Comporta, caso o Ministério Público não levante o arresto. Isto porque, disseram, “os sócios não responderam a um pedido de aumento de capital”. Para que o negócio possa ser concretizado, o Ministério Público terá de levantar o arresto que o Estado mantém sobre este ativo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Príncipe francês quer tornar a Comporta numa “Utopia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião