Príncipe francês quer tornar a Comporta numa “Utopia”

  • ECO
  • 16 Junho 2018

Louis-Albert de Broglie é um dos três interessados que já avançaram propostas para a compra da Comporta. O príncipe francês diz que quer torná-la num "bom projeto com ambições sociais e ambientais".

Louis-Albert de Broglie, um dos três interessados na Comporta, já tem planos para a região. O príncipe francês quer torná-la num “bom projeto com ambições sociais e ambientais”, através da criação de centros de produção biológica, incubação de startups de alimentação saudável, reciclagem e um museu. Este potencial comprador, que concorre diretamente com o consórcio de Paula Amorim e Claude Berda e da Oakvest, quer tornar a Comporta numa “Utopia”.

Para o príncipe francês Louis-Albert de Broglie, a Comporta é um “laboratório de produção ecológica, biodiversidade e cultura que pode ser um exemplo para o mundo”, afirma ao Expresso (acesso pago). Por isso, para este investidor, “não se podem reproduzir os erros feitos no Algarve, em França ou em Espanha” nesta região.

“É uma responsabilidade de Portugal ter um projeto nacional para refazer a Comporta, garantindo que não é destrutivo e vai trazer economia ao território. O mundo inteiro vai querer vir aqui para ver como se faz um bom projeto com ambições sociais e ambientais”, afirma o príncipe francês, que designa o seu projeto para a região de “Utopia”, que “significa o futuro do amanhã, segundo Victor Hugo”, explica.

"É uma responsabilidade de Portugal ter um projeto nacional para refazer a Comporta, garantindo que não é destrutivo e vai trazer economia ao território. O mundo inteiro vai querer vir aqui para ver como se faz um bom projeto com ambições sociais e ambientais.”

Louis-Albert de Broglie

Na área que está à venda, Louis-Albert de Broglie propõe-se a fazer apenas 15% do imobiliário previsto pelo grupo Espírito Santo. O resto será ocupado por sete centros dedicados a produção biológica, incubação de startups de alimentação saudável, conferências, reciclagem ou medicina reconectiva. Isto além de um museu de arte contemporânea em forma de arca de Noé e uma escola Blue School (ensino assente na reconexão com a natureza).

A parte turística ficaria integrada nestes centros, com o de medicina reconectiva a oferecer um hotel com 80 quartos “gerido por uma das maiores marcas internacionais”.

O projeto de Louis-Albert de Broglie é apresentado numa altura em que os gestores de insolvência do GES alertam para o “risco real” de falência da Comporta, caso o Ministério Público não levante o arresto. Isto porque, disseram, “os sócios não responderam a um pedido de aumento de capital”. Para que o negócio possa ser concretizado, o Ministério Público terá de levantar o arresto que o Estado mantém sobre este ativo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Príncipe francês quer tornar a Comporta numa “Utopia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião