Governo quer decretar serviços mínimos na greve dos professores. Sindicatos estão contra

  • ECO
  • 18 Junho 2018

O Governo estará a preparar-se para decretar serviços mínimos na greve dos professores marcada para o mês de julho, de modo a garantir que as reuniões de avaliação dos alunos se realizem.

O Governo estará a preparar-se para decretar serviços mínimos na greve dos professores marcada para o mês de julho, de modo a garantir que as reuniões de avaliação dos alunos se realizem. A informação está a ser avançada pelo Público (acesso condicionado) que cita declarações de Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof).

O representante dos professores disse, numa conferência de imprensa que está a decorrer em Lisboa que a primeira reunião para definir serviços mínimos está marcada para esta terça-feira, mas afirmou ainda que a medida nunca terá o acordo dos sindicatos

De acordo com Mário Nogueira, os sindicatos receberam nesta segunda-feira a convocatória para reunirem com a tutela para falarem da definição de serviços mínimos. Caso tal se confirme, terá de ser constituído um tribunal arbitral.

A Fenprof é uma das dez estruturas sindicais que convocam a paralisação dos professores que se inicia esta segunda-feira, que já tem pré-avisos entregues até meio do próximo mês, e que se vai realizar de forma intermitente, ou seja, com pré-avisos diários, o que significa que os professores podem decidir fazer greve num dia e não noutro.

A criação de um regime especial de aposentação, horários de trabalho de 35 horas e a resolução do “problema grave” de precariedade que também afeta os professores estão na lista de reivindicações dos docentes, mas a “questão central” é a contagem integral do tempo de serviço congelado.

A greve às avaliações decorre até 13 de julho, incidindo apenas sobre os conselhos de turma, as reuniões para atribuição de notas aos alunos e que permitem encerrar o ano letivo.

(Notícia atualizada às 17h45 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer decretar serviços mínimos na greve dos professores. Sindicatos estão contra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião