SIBS ganha terreno na Polónia. Compra a PayTel

  • ECO
  • 20 Junho 2018

A gestora do Multibanco vai pagar oito milhões pela PayTel. A SIBS vê grande "potencial de crescimento do mercado de pagamentos na Polónia".

A SIBS, gestora da rede Multibanco em Portugal, está a ganhar terreno na Polónia. Formalizou a compra da PayTel, empresa polaca especializada em serviços de aceitação de cartão. Este negócio, avaliado em oito milhões de euros, vai ser feito em duas fases, ficando concluído só em 2020.

“Esta transação vai decorrer entre 2018 e 2020, sendo que a primeira fase corresponde a 55% do capital da empresa e representa um investimento de 34 milhões de zlotys (cerca de oito milhões de euros) por parte da SIBS“, refere a empresa em comunicado.

“Com esta aquisição, a SIBS prossegue a sua estratégia de expandir os seus serviços de pagamentos posicionando-se com uma oferta ainda mais alargada na Europa, ladeando outros operadores de âmbito europeu”, diz a empresa liderada por Madalena Cascais Tomé.

A SIBS está presente na Polónia desde 2008, prestando serviços de gestão de redes de ATM, homologação de terminais, processamento de transações, switching e prevenção e deteção de fraude, expandindo agora para os serviços de acquiring.

A PayTel, empresa que vai adquirir, tem apresentado níveis de crescimento na ordem dos 35% ao ano, substancialmente acima do aumento do mercado global, que é quatro vezes maior que o de Portugal”, refere a empresa, sublinhando o potencial de crescimento do mercado de pagamentos na Polónia.

A PayTel é “uma empresa com relações comerciais determinantes a nível nacional, o que, em conjunto com o know-how e portfolio aportado pela SIBS representa uma oportunidade de desenvolvimento estratégico, e reforça o posicionamento da SIBS como um player de pagamentos relevante no mercado europeu”, diz Madalena Cascais Tomé, CEO da SIBS.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SIBS ganha terreno na Polónia. Compra a PayTel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião