Centeno entrega a Mourinho Félix dossiê sobre a venda da CGD em Espanha e África do Sul

  • Lusa
  • 21 Junho 2018

O ministro das Finanças, Mário Centeno, delegou no secretário de Estado das Finanças, Mourinho Félix, a definição do preço de venda das operações da CGD em Espanha e na África do Sul.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, delegou no secretário de Estado das Finanças, Mourinho Félix, a definição do preço de venda das operações da CGD em Espanha e na África do Sul, e a escolha dos interessados.

A subdelegação de poderes no secretário de Estado Adjunto e das Finanças efetivou-se na quarta-feira, com a publicação em suplemento do Diário da República de um despacho que tem efeitos imediatos, e que atribui também a Mourinho Félix a aprovação das minutas do negócio da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

“Subdelego no secretário de Estado […] os meus poderes para, no âmbito da realização de cada um dos processos de alienação de participações sociais […], definir o preço unitário de alienação das ações, proceder à seleção dos interessados que integram cada uma das fases do processo, bem como aprovar as minutas dos instrumentos jurídicos”, afirma Mário Centeno no diploma.

Mourinho Félix passa também a ter poderes para “determinar quaisquer outras condições acessórias que se afigurem convenientes”, segundo o diploma, e ainda para “praticar os atos de execução que se revelem necessários à concretização” de cada uma das operações de venda, bem como para determinar o período em que decorre a segunda fase do processo de alienação e a sua eventual prorrogação.

Na sexta-feira passada, uma Resolução do Conselho de Ministros publicada em Diário da República revelou que o Governo selecionou dois bancos espanhóis e um fundo de investimento norte-americano para apresentarem propostas vinculativas para a compra do banco da CGD em Espanha.

A redução da operação da CGD fora de Portugal foi acordada em 2017 com a Comissão Europeia como contrapartida da recapitalização do banco público.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno entrega a Mourinho Félix dossiê sobre a venda da CGD em Espanha e África do Sul

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião