Há três interessados na CGD em Espanha. Quatro querem ficar com o banco na África do Sul

  • Rita Atalaia
  • 15 Junho 2018

Depois de o Governo ter aprovado a passagem da venda da CGD em Espanha e na África do Sul à fase final, o Executivo avançou agora com os nomes dos interessados nestas duas filiais do banco estatal.

Depois de o Governo ter aprovado a passagem da venda da Caixa Geral de Depósitos (CGD) em Espanha e na África do Sul à fase final, o Executivo avançou agora com os nomes dos interessados nestas duas filiais do banco estatal. Há, ao todo, três potenciais compradores no Banco Caixa Geral, em Espanha, e quatro no Mercantile Bank Holdings Limited, na África do Sul.

De acordo com a resolução do Conselho de Ministros publicada esta sexta-feira em Diário da República, para o banco da CGD em Espanha concorrem o banco Abanca, o Crédito Social Cooperativo (Cajamar) e o fundo norte-americano Cerberus European Investments. De fora desta corrida ficaram o Caja Rural Castilla-La Mancha, o Socrates Capital Holdings Limited e a Weston Hill Asset Management, SL.

No caso da África do Sul, estão a concorrer o consórcio composto pela Arise B.V. e Grindrod Limited, o banco Capitec Bank Limited, o banco Nedbank Group Limited, mas também o consórcio Riqueza, constituído pela Public Investment Corporation SOC Limited e a Bayport Financial Services. Entre os interessados no Mercantile Bank, foram 14 os que não foram selecionados.

Foi na quinta-feira que o Governo aprovou a resolução que permite que os potenciais compradores apresentem propostas vinculativas. “O Conselho de Ministros aprovou as resoluções que determinam a seleção dos potenciais investidores admitidos a participar na fase subsequente do processo de alienação de ações detidas pela Caixa Geral de Depósitos”, lê-se no comunicado divulgado na quinta-feira.

“Os investidores selecionados serão convidados a desenvolver diligências informativas e a proceder à apresentação de propostas vinculativas de aquisição das ações”, referiu ainda o Governo, salientando que, com este passo, se conclui “outro passo estratégico para a execução do calendário dos compromissos subjacentes à recapitalização da CGD pelo Estado”.

A administração da CGD comprometeu-se junto da Comissão Europeia a abandonar os mercados em Espanha, África do Sul, mas também Brasil, como contrapartida à capitalização estatal de 3,9 mil milhões de euros.

(Notícia atualizada às 19h23 com mais informação)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Há três interessados na CGD em Espanha. Quatro querem ficar com o banco na África do Sul

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião