WhatsApp, o novo canal propício à proliferação de ‘fake news’

  • ECO
  • 21 Junho 2018

De acordo com um estudo da Universidade de Oxford, o WhatsApp tem muito potencial para propagar notícias falsas, em grande parte devido ao carácter pessoal das mensagens.

Um estudo realizado pela Universidade de Oxford alerta para o facto de notícias falsas, ou fake news, começarem a ser um grande problema no WhatsApp. Apesar de o Facebook e o Twitter serem, ainda, as redes sociais onde a sua proliferação é maior, segundo o The Guardian (conteúdo em inglês), a investigação quis saber como é que este tipo de notícias tem crescido tão exponencialmente na app de mensagens instantâneas e chamadas de voz.

No WhatsApp, as publicações que se fazem no Facebook converteram-se em mensagens de voz ou vídeo. Mas, a principal diferença entre as duas apps, que até pertencem à mesma empresa, está relacionada com a forma como as notícias se organizam. No caso do Facebook, as notícias publicadas organizam-se consoante um algoritmo que lhes atribui relevância em função de quando e de como foram partilhadas. Já no WhatsApp, os textos, as fotos e os vídeos partilhados vão de pessoa em pessoa, o que faz com que a evolução de notícias falsas seja muito mais difícil, segundo os investigadores.

Em contrapartida, o grande perigo está no facto de “as pessoas se sentirem mais cómodas ao partilhar coisas importantes pelo WhatsApp”, afirmam os autores do estudo da Oxford. Tal sentimento pode levar a que uma notícia falsa atinja um grau de credibilidade maior do que no Facebook, uma vez que quem a partilha é um contacto conhecido. Os fatores proximidade e individualidade são, por isso, os que estão em jogo neste campo, proporcionados pelo caráter pessoal das mensagens, que são partilhadas por outra pessoa e não por uma página de um órgão de comunicação ou por um grupo.

A forma com se faz a partilha deste tipo de notícias não é diferente das mensagens correntes que se trocam através do correio eletrónico, muito populares e comuns na internet há uma década, mas que, hoje, caíram em desuso ou, de outro ponto de vista, transformaram-se.

Por todo o mundo já há países que estão a sofrer as consequências das fake news através do WhatsApp, como é o caso da índia, do Quénia e do Brasil.

Projeto digital de verificação de factos

As Chicas Poderosas, um movimento dedicado ao empoderamento das mulheres, começou precisamente com o objetivo de aproximar jornalistas de imprensa às novas tecnologias e à criação de conteúdos digitais. Agora, conscientes do potencial do WhatsApp no que toca a notícias falsas, lançaram um projeto digital de verificação de factos.

Chama-se “O Poder de Eleger” [El poder de elegir, em castelhano] e pretende verificar a informação, de modo a que os cidadãos estejam verdadeiramente informados e mais aptos a tomar decisões ponderadas. Para ser feita essa verificação, basta que a pessoa envie, via WhatsApp, a mensagem que deseja ver confirmada. Desta forma, pode também continuar a receber as verificações de outras mensagens, recebidas da mesma forma. O projeto foi lançado na Colômbia, a propósito das eleições presidenciais, mas está a ser estudada a sua adaptação a outros países do mundo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

WhatsApp, o novo canal propício à proliferação de ‘fake news’

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião