Os sócios do Sporting decidiram: Bruno de Carvalho sai

Quase 15 mil sócios sportinguistas votaram e a maioria decidiu. Quase quatro horas depois do fecho das votações, "sim" à destituição venceu com 71% dos votos.

Os sócios votaram e decidiram: Bruno de Carvalho sai do cargo de presidente do Sporting. Os sócios do clube de Alvalade decidiram que a saída do presidente do clube seria a melhor decisão. De acordo com as informações disponíveis, todos os votos já terão sido apurados ainda que não se saiba ao certo a percentagem final de votos do “sim” à destituição face ao “não”, com 71,36% dos votos, de acordo com a Sic Notícias. Estes números resultam do pedido de recontagem dos votos, avançou o canal de televisão ao início da madrugada.

O até agora presidente do Sporting publicou 24 mensagens antes de ir votar, através da sua página de Facebook. Foram 14.735 sócios os que se deslocaram ao Altice Arena, em Lisboa, para votarem a destituição do atual presidente do clube leonino. Eles correspondem a um universo de cerca de 70 mil votos. No caso de Bruno de Carvalho, cerca de 28,64% dos votos foram a favor do presidente.

Cerca das 22h30, a Sic Notícias adiantava já que o “sim” à destituição vencia por 65% contra o “não”, entre as mesas 7 e 21 das votações na Assembleia Geral, nas quais os sócios mais antigos — e com mais votos — depositam os seus boletins.

Um dos momentos que marcaram o dia de votações no Altice Arena foi a tentativa de agressão a Álvaro Sobrinho, presidente da Holdimo, o mais importante acionista privado do Sporting. Outro, foi o momento em que Bruno de Carvalho, que adiantou não ir votar, ter aparecido para exercer o direito de foto e ter sido impedido de discursar.

Bruno de Carvalho disse este sábado que não se recandidata se for destituído. Entretanto, durante a Assembleia Geral, Marta Soares anunciou a marcação de eleições para liderança do clube para 8 de setembro.

Notícia atualizada às 01h23 com mais informação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os sócios do Sporting decidiram: Bruno de Carvalho sai

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião