Cabrita considera descentralização decisiva para melhoria das políticas públicas

  • Lusa
  • 24 Junho 2018

De visita à Figueira da Foz, este domingo, o ministro da Administração Interna considerou "decisivo" o papel da descentralização para a melhoria das políticas públicas.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, insistiu este domingo, na Figueira Foz, na ideia de que a descentralização de competências para o poder local é “decisiva” para a melhoria das políticas públicas.

“Estamos a viver um momento que não pode ser desperdiçado, em que temos um Presidente da República totalmente comprometido com o incentivo a esta estratégia de descentralização e um primeiro-ministro e um líder do maior partido da oposição que têm como momentos altos das suas carreiras políticas anteriores terem presidido às duas maiores autarquias do país”, sublinhou o governante.

Eduardo Cabrita, que falava na sessão solene do Dia da Cidade da Figueira da Foz, no Centro de Artes e Espetáculos, considerou que “não pode ser desperdiçada” a oportunidade de localmente se poder fazer melhor na “educação, na saúde, na cultura, na ação social, na gestão das praias e zonas marítimas se fazer”.

Salientando a confiança do Governo nas entidades locais e “na sua capacidade de bem gerir os recursos públicos”, o ministro da Administração Interna sublinhou que as autarquias locais “foram o setor da administração pública com melhor desempenho financeiro ao longo dos últimos anos”.

Em 2017, “ano de eleições, em que alguns descrentes desconfiam da capacidade de localmente bem gerir os recursos públicos, o setor local voltou a ter um saldo orçamental positivo e a reduzir a dívida em quase 500 milhões de euros”, frisou.

O ano passado, acrescentou, “não foi a despesa corrente que subiu, o que subiu foi a despesa de investimento, tendo os municípios liderado a capacidade de começar a utilizar os fundos europeus”.

“Se em 2015 cerca de 80 municípios violavam os limites legais do endividamento, esse número encontra-se hoje reduzido a cerca de 25 e com uma evolução globalmente positiva na generalidade desses concelhos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Na sessão do Dia da Cidade, o município da Figueira da Foz atribuiu a medalha de ouro e o título de cidadão honorário a José Manuel Leite, o primeiro presidente da autarquia eleito democraticamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cabrita considera descentralização decisiva para melhoria das políticas públicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião