Obsessão dos Millennials pela UberEats pode acabar com a cozinha. Quem o diz é o UBS

  • ECO
  • 26 Junho 2018

Aplicações como a UberEats já se tornaram as melhores amigas dos Millennials, que cozinham cada vez menos em casa. Segundo o UBS, esta tendência pode acabar com a cozinha em pouco mais de dez anos.

A geração Y, também conhecida por Millennials, está a provocar grandes alterações na indústria, a transformar a economia e a obrigar alguns setores a reinventarem-se. Nascidos entre 1980 e 1996, estes jovens fazem parte da geração Airbnb e da geração Uber.

Quem diz Uber, diz, claro, UberEats. A geração Y faz a sua vida através do ecrã do smartphone, basta um clique para almoçar ou jantar, por exemplo. A oferta relacionada com as aplicações de entrega de comida ao domicílio está a crescer e a oferecer cada vez mais possibilidades a estes jovens, que são apontados como os principais responsáveis pela morte da cozinha. Encomendam cada vez mais comida, obcecados por aplicações como a Deliveroo ou a Uber Eats, e evitam os tachos e as panelas em casa.

Esta divisão da casa deverá morrer até 2030, revela o estudo do UBS. “A maioria das refeições, feitas atualmente em casa, será encomendada online, confecionadas por restaurantes ou cozinhas centrais”, escreveu um analista do banco de investimento.

O cenário previsto pela empresa com sede em Zurique aponta para um futuro em que as pessoas encomendam várias refeições por semana, a partir de startups de entrega de alimentos. Robôs e drones de entrega seriam a solução para que as refeições fossem mais baratas.

Ainda no mesmo cenário, o UBS prevê menos clientes nos supermercados e uma descida na venda de produtos frescos. Haverá, também, menos gente a comer nos próprios restaurantes. Tal cenário pode obrigar os supermercados e restaurantes a fazer grandes mudanças na sua atual estrutura. Cozinhando menos, a geração Y também comprará menos panelas, frigideiras e outros acessórios de cozinha.

Levantam-se outras questões: condições de trabalho, obesidade…

Segundo a Business Insider (conteúdo condicionado, em inglês), a morte da cozinha é um cenário inevitável. O UBS avançou, ainda, que os trabalhadores da Deliveroo são mal pagos e que, para obter flexibilidade, renunciam aos benefícios do emprego a tempo inteiro. No caso específico desta aplicação, os funcionários estão a lutar por melhores direitos, o que pode levar, por um lado, a que o Governo regulamente este setor e, por outro, a que as startups de entrega de comida tenham mais despesas.

Nos países mais afetados pela obesidade, como é o caso do Reino Unido, o Governo poderá ter de tomar medidas, como a intensificação de campanhas de saúde pública contra alimentos e refeições takeaway, incentivando mais pessoas a cozinhar em casa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Obsessão dos Millennials pela UberEats pode acabar com a cozinha. Quem o diz é o UBS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião