Há mais um fundo a atacar o Novo Banco. Diz que houve incumprimento na dívida

  • Rita Atalaia
  • 27 Junho 2018

Winterbrook, um hedge fund britânico, acusa o Novo Banco de ter várias obrigações em default. E isto devido à decisão do BdP de transferir dívida do Novo Banco para o BES, em dezembro de 2015.

Há mais um fundo a atacar o Novo Banco. O Winterbrook Capital acusa o banco liderado por António Ramalho de ter várias obrigações em default. Uma consequência, diz o hedge fund londrino, da decisão do Banco de Portugal de transferir dívida do Novo Banco para o BES “mau”, em dezembro de 2015. Esta medida está também a ser contestada por um outro grupo de grandes investidores, que acusa o regulador de “discriminação”.

O Winterbrook escreveu, no início e em meados de junho, à administração do Novo Banco para alertar para “várias situações de default” em títulos de dívida — no âmbito de um programa de emissão de obrigações com um valor entre 10 e 20 mil milhões de euros — que foram originalmente emitidos pelo BES Finance, de acordo com a Reuters.

Para este investidor, este incumprimento da dívida resulta de várias medidas de resolução adotadas pelo banco central liderado por Carlos Costa em 2014 e 2015. E que já foram contestadas por vários investidores. O fundo diz ainda estar particularmente preocupado com a decisão tomada pelo Banco de Portugal, no final de 2015, de transferir mais de dois mil milhões de euros de obrigações do Novo Banco para o BES.

Este fundo não é o único a contestar esta decisão. Num outro processo, no qual o Winterbrook não está incluído, o chamado Novo Note Group, composto por grandes investidores do BES como a Attestor Capital, BlackRock, CQS e Pimco, tem vindo a pressionar o Banco de Portugal a encontrar uma solução para as perdas dos seus clientes.

Este grupo acusa a entidade liderada por Carlos Costa de “discriminação em razão da nacionalidade”. Isto porque, explicam, os investidores nacionais não foram sujeitos a esta transferência realizada após a resolução da instituição financeira. Acusações que são totalmente rejeitadas pelo regulador por considerar que esta “discriminação” apenas se aplica a Estados-membros. Os fundos são norte-americanos.

A contestação do fundo Winterbrook vem pressionar o Novo Banco, numa altura em que a instituição financeira está a fazer um roadshow para colocar dívida. O banco pretende obter 400 milhões de euros através de títulos de dívida subordinada, denominada de Additional Tier 2, a mesma que a CGD emitiu recentemente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais um fundo a atacar o Novo Banco. Diz que houve incumprimento na dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião