Seguradoras defendem incentivos fiscais à poupança privada

  • Lusa
  • 28 Junho 2018

A Associação Portuguesa de Seguradores defende um "acordo de regime ou acordo de partidos" para incentivar a poupança dos portugueses.

O supervisor dos seguros e a associação que representa as empresas seguradoras pediram, esta quinta-feira, incentivos fiscais à poupança privada dos portugueses, nomeadamente aos Planos de Poupança de Reforma (PPR).

No Fórum Seguros, organizado pelo Jornal Económico e a consultora PWC em Lisboa, o presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), José Almaça, considerou que em Portugal são “muito baixos os níveis de poupança” e considerou que esse facto “justifica medidas de estímulo à poupança de particulares, que pode passar pelo reforço de incentivos e benefícios fiscais”.

Também o presidente da Associação Portuguesa de Seguradores, José Galamba de Oliveira, afirmou que a poupança “é um problema nacional” e defendeu mesmo um “acordo de regime ou acordo de partidos” neste tema, sobretudo quando se perspetiva o aumento do número de reformados face à população ativa, e que a pensão dos reformados significará uma redução de cerca de 35% face ao último ordenado.

Para acautelar isso, defendeu o reforço da poupança, além daquela que é feita através da segurança social, e disse que seria importante voltar a valorizar os Planos de Poupança Reforma (PPR), alterando as características atuais e obrigando a poupança de mais longo prazo. “Os incentivos fiscais devem existir, serem simples e estáveis ao longo do tempo. É importante voltar a um produto como o PPR original, que é um produto focado na poupança de longo prazo”, afirmou.

Em 2017, segundo a APS, a produção de seguro direto de PPR subiu 30% para 2,2 mil milhões de euros, havendo responsabilidades totais de 14,3 mil milhões de euros e cerca de dois milhões de pessoas seguras. Já este ano, até abril, a produção de PPR aumentou 37% para 937 milhões de euros.

Contudo, disse Galamba de Oliveira, o saldo médio por pessoa segura é de cerca de 7.500 euros, o que considerou reduzido.

O supervisor dos seguros e a associação que representa as seguradoras também concordaram na necessidade urgente de ser criado um fundo para fazer face a perdas com sismos para preservar os bens das famílias mas também dos bancos (uma vez que muito crédito assenta em garantias de hipotecas de casas) em caso de terramoto.

“Temos vindo a trabalhar neste projeto, ASF e APS, e pensamos que tão rápido quanto possível que o projeto venha à luz do dia e que as entidades que decidem sobre esta matéria tenham coragem de avançar com ela”, afirmou o presidente da ASF, José Almaça, referindo-se ao poder político.

A criação de um fundo de cobertura de risco sísmico foi já objeto de uma consulta pública e de um projeto de lei em 2010, mas acabou por não avançar com a eclosão da crise.

Galamba de Oliveira, representante das empresas seguradoras, falou ainda sobre a nova diretiva europeia de venda de seguros, que está no parlamento em transposição para a lei portuguesa, tendo apresentado dúvidas de que o processo legislativo esteja pronto a tempo de as novas regras entrarem em vigor em 01 de outubro, prazo definido a nível europeu.

A diretiva europeia de distribuição de seguros reforça as exigências da comercialização dos seguros (seja feita por pessoas singulares ou empresas), como obrigação de formação aos trabalhadores e adequação dos produtos vendidos ao perfil do cliente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seguradoras defendem incentivos fiscais à poupança privada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião