Rui Rio diz que visita Angola para ajudar “a cimentar” relações bilaterais

  • Lusa
  • 28 Junho 2018

"Enquanto português e líder da oposição em Portugal, tenho todo o gosto em contribuir, justamente para continuar a cimentar essa relação" com Angola, diz Rui Rio.

O presidente do PSD afirmou quarta-feira, em Luanda, que visita Angola para, enquanto líder da oposição em Portugal, contribuir para “cimentar” a relação entre os dois países, nas reuniões de alto nível previstas para esta quinta-feira.

Em declarações aos jornalistas ao final do dia de quarta-feira, à chegada ao aeroporto internacional de Luanda, o líder do PSD explicou que a visita a Angola envolve “dois contactos extraordinariamente relevantes”, referindo-se à reunião como o chefe de Estado, João Lourenço, e com o líder do MPLA, José Eduardo dos Santos, ambos esta quinta-feira, no contexto das relações que o partido mantém.

“Relações que o PSD sempre manteve e quer continuar a manter com o MPLA, relações positivas. E por outro lado aquilo que eu, enquanto português e líder da oposição em Portugal, tenho todo o gosto em contribuir, justamente para continuar a cimentar essa relação de há algum tempo e cada vez melhor”, afirmou.

Sobre João Lourenço, Presidente angolano desde setembro, e que o recebe no Palácio Presidencial, na Cidade Alta, em Luanda, às 09h00, Rui Rio destacou como “altamente positiva” a política implementada por João Lourenço, de combate à corrupção.

“Qualquer país que vise o desenvolvimento tem, naturalmente, de procurar eliminar esse fenómeno, que é um fenómeno que infelizmente nós conhecemos por todo o lado. Em Portugal, como sabe, também conhecemos esse fenómeno, procuramos sempre ultrapassar, erradicar”, disse.

Questionado sobre a transferência do processo que julgava, desde janeiro, no tribunal de Lisboa, o ex-vice-Presidente da República Manuel Vicente, Rui Rio admitiu que houve morosidade na resolução do diferendo, com o envio do mesmo para julgamento em Luanda, já este mês, sendo por isso um exemplo da reforma do sistema judicial português que afirma preconizar.

“A morosidade é um dos aspetos e a morosidade que houve aqui, enfim, é a morosidade que há sempre [nos tribunais portugueses]”, observou.

Elogiou ainda o plano do Governo para implementar as autarquias locais em Angola, a partir de 2020, destacando o balanço “muito mais positivo” com as quatro décadas da administração local em Portugal, tendo em conta a qualidade de vida das pessoas.

A viagem do líder do PSD acontece depois de a Procuradoria-Geral da República ter transferido para Angola o processo judicial que envolve o ex-vice-Presidente do país Manuel Vicente.

O primeiro-ministro, António Costa, também deverá deslocar-se a Angola em breve, mas não foram ainda adiantadas datas.

Em 04 de junho, o chefe de diplomacia angolano, Manuel Domingos Augusto, disse, em Bruxelas, que estava a trabalhar diretamente com o seu homólogo português, Augusto Santos Silva, para que o programa da deslocação de António Costa a Angola “esteja à altura dessa visita”.

Na altura, Manuel Domingos Augusto comentou que a visita do primeiro-ministro português a Luanda “já poderia ter tido lugar antes”, se não fosse o processo do ex-vice-Presidente angolano, mas sublinhou que, resolvida que está essa questão, com a transferência do processo para a Justiça angolana, “agora o mais importante” é trabalhar em conjunto para repor a normalidade nas relações luso-angolanas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio diz que visita Angola para ajudar “a cimentar” relações bilaterais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião