Tecnológicas mudam o “chip” a Wall Street. Bolsas sobem

Os ganhos nas empresas tecnológicas levaram Wall Street a inverter a tendência negativa do início da sessão, fechando em terreno positivo. A energia esteve sob pressão.

Wall Street inverteu o sentimento negativo que se fazia sentir no início da sessão, fechando o dia em terreno positivo. A recuperação dos títulos do setor tecnológico acabou por se sobrepor à escalada das tensões comerciais entre os EUA e a União Europeia, num dia também marcado pela desvalorização do petróleo.

O S&P 500 encerrou a sessão a subir 0,30% para 2.726,53 pontos, enquanto o industrial Dow Jones fechou a valorizar 0,12% para 24.307,28 pontos. Já o tecnológico Nasdaq somou 0,77% para 7.567,78 pontos.

Os ganhos das tecnológicas fizeram frente às perdas das empresas do setor energético, num dia em que o barril de petróleo negoceia nos 73,92 dólares em Nova Iorque, uma descida de 0,34% face à sessão anterior (em Londres, a queda chega aos 2,49%, com a matéria-prima a negociar nos 77,26 dólares).

As ações da Apple valorizaram 1,06% para 187,07 dólares, enquanto a Microsoft subiu 1,34% para 99,93 dólares. A Intel avançou 0,99% para 50,2 dólares e a NVidia disparou 2,26% para 242,25 dólares por ação. A travar os ganhos esteve, entre outras, a queda nas ações da petrolífera Exxon Mobil, cujas ações derraparam 1,17% para 81,76 dólares.

Outra nota negativa para as ações da Tesla. A empresa criada por Elon Musk viu as suas ações desvalorizarem 2,38% para 334,74 dólares, mesmo depois de se saber que a companhia conseguiu atingir as metas definidas para o automóvel Model 3.

Segundo a CNBC, alguns analistas e investidores estão céticos de que a Tesla vai ser capaz de continuar a cumprir os objetivos. Além disso, já depois do fecho, foi revelada a saída do principal engenheiro da companhia, Doug Field.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Tecnológicas mudam o “chip” a Wall Street. Bolsas sobem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião