Media Capital negoceia pela primeira vez desde o fim da OPA da Altice. Derrapa 37%

Os títulos da Media Capital estão a negociar pela primeira vez depois do ponto final à tentativa de compra por parte da Altice. Estão a cair para o valor mais baixo desde novembro de 2016.

A Media Capital voltou a negociar em bolsa esta terça-feira, pela primeira vez depois de a tentativa de compra por parte da Altice ter sido travada. Duas semanas depois de a Autoridade da Concorrência ter declarado este negócio “extinto”, a dona da TVI está a derrapar mais de 37% na bolsa de Lisboa.

Foi a 19 de junho que o regulador da concorrência “declarou extinto” o negócio de compra da Media Capital pela Altice. A medida foi tomada a pedido da própria Altice, mas Autoridade da Concorrência justificou, ainda assim, que estava prestes a chumbar a operação, uma vez que esta iria resultar num custo estimado de 100 milhões de euros por ano aos concorrentes e, consequentemente, às famílias portuguesas.

Os títulos da Media Capital estão a negociar pela primeira vez depois dessa decisão, mas com baixa liquidez. Esta manhã, foram transacionadas 100 ações e a empresa está a desvalorizar 37,11%, para os 2 euros por ação.

Este é o valor mais baixo desde novembro de 2016, altura em que as ações da Media Capital estavam a negociar nos 1,82 euros. Por essa altura, existiam já rumores de que a Altice pretendia comprar a Media Capital, ainda que as intenções não fossem oficiais.

Pouco tempo depois, no verão de 2017, a Altice oficializou a intenção de compra: oferecia 440 milhões de euros à Prisa para ficar com a Media Capital, o maior grupo de media português em quota de mercado. O negócio mereceu sempre, contudo, a oposição tanto da concorrência como dos reguladores. No fim, a Autoridade da Concorrência concluiu que “existiriam riscos sérios de entraves à concorrência nos mercados de telecomunicações e de media, com impactos negativos para os consumidores”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Media Capital negoceia pela primeira vez desde o fim da OPA da Altice. Derrapa 37%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião