Altice/Media Capital: AdC não foi capaz de se pronunciar sobre o negócio durante 11 meses

  • Lusa
  • 21 Junho 2018

Alexandre Fonseca esclareceu ainda que, ao contrário do que foi dito, não existe por parte da Altice, nem sequer por parte da Prisa, nenhum desistir do negócio.

O presidente executivo da Altice Portugal criticou esta quinta-feira a Autoridade da Concorrência (AdC) por durante 11 meses não ter sido capaz de se pronunciar sobre o negócio da Media Capital e adiantou que não existe nenhum desistir do negócio.

“Dir-vos-ia apenas sobre o negócio Media Capital, duas coisas. Primeiro, que aquilo que aconteceu tem a ver, única e exclusivamente, com o facto de durante 11 meses em Portugal, uma autoridade não ter sido capaz de se pronunciar, positiva ou negativamente, mas não foi capaz de se pronunciar, não se mostrou capaz, não se mostrou conhecedora, não se mostrou competente, para fazer uma pronuncia objetiva, clara, transparente e documentada sobre um negócio desta relevância (…)”, afirmou à agência Lusa Alexandre Fonseca.

Este responsável, que falava em Castelo Branco, à margem de uma visita ao Centro de Empresas Inovadoras (CEI), onde assinou uma parceria com a Associação Centro de Apoio Tecnológico Agro- Alimentar de Castelo Branco (CATAA), adiantou que esse é um marco que enquanto portugueses e agentes económicos todos devem refletir.

“Esse sim, acho que é o ponto importante para compreender, porque a realidade é que, como todos sabem e como foi divulgado amplamente pela imprensa, existia uma data de 13 de abril. Essa data foi ampliada para 15 de junho e em nenhuma destas datas, até já numa data posterior ao negócio ter sido encerrado, foi a primeira vez que a Autoridade da Concorrência se pronunciou e veio trazer factos que desconhecíamos, que não foram discutidos no âmbito do projeto e que em alguns casos, nem sequer correspondem a verdade. Este é um ponto que gostava que ficasse claro”, frisou.

O presidente da Altice Portugal acusou ainda a AdC de ter feito esta semana comentários públicos sobre o negócio que ultrapassam claramente a sua esfera de responsabilidade e que trazem a público informação que a Altice desconhecia no âmbito do processo. “É informação que extravasa amplamente aquilo que são as competências dessa autoridade. Diria que não o vamos fazer, não vamos cometer o mesmo erro. Compreendo que, eventualmente tivesse que existir uma necessidade por parte da autoridade, de se justificar perante aquilo que aconteceu, mas nós não o vamos fazer”, disse.

Alexandre Fonseca esclareceu ainda que, ao contrário do que foi dito, não existe por parte da Altice, nem sequer por parte da Prisa, nenhum desistir do negócio. “O que acontece é que uma data contratualmente definida, e era uma data que estava definida desde o dia 14 de julho de 2017, há 11 meses a esta parte, essa data, que já foi uma data depois negociada como vos disse e que houve uma expansão por mais dois meses, essa data foi incumprida, ou seja, durante esse período a Autoridade da Concorrência não se mostrou capaz e competente para emitir uma decisão”, afirmou.

E, nesse âmbito, explicou que aquilo que acontece nas empresas é que existem contratos e responsabilidades, sendo que o negócio “caducou” porque dentro desse período não foi possível ter uma decisão, “lamentavelmente, por parte da autoridade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice/Media Capital: AdC não foi capaz de se pronunciar sobre o negócio durante 11 meses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião