A carta de Alexandre Fonseca aos trabalhadores da Altice

  • Marta Santos Silva
  • 20 Junho 2018

A venda das torres de telecomunicações da Meo fortalece o "músculo financeiro" da Altice, assinala o CEO numa carta aos trabalhadores, onde garante que a estratégia da empresa não mudou.

A venda das torres de telecomunicações da Meo não vai afetar a estratégia da Altice e aumenta o “músculo financeiro” da empresa. Quem o diz é Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal, numa carta que dirigiu aos trabalhadores esta quarta-feira após o anúncio oficial da venda das torres.

A Torres de Portugal foi valorizada em 660 milhões de euros na transação com o consórcio que junta a Morgan Stanley à Horizon Equity Partners de Pires de Lima e Sérgio Monteiro, que foi anunciada hoje.

“Esta transação em nada vem alterar a nossa estratégia de crescimento, investimento e inovação”, escreveu o CEO na carta a que o ECO teve acesso. “Antes pelo contrário, permite-nos seguir mais fortes e coesos, com foco na qualidade de serviço aos nossos clientes”.

Além disso, acrescenta, a venda das Torres de Portugal fortalece a empresa. A Altice Europe está profundamente endividada e, como sublinhou Patrick Drahi no comunicado que acompanhou o anúncio da venda, esta transação reflete a sua aposta na desalavancagem.

“Mais um passo relevante que sublinha o nosso músculo financeiro e agilidade estrutural para que assim possamos continuar a surpreender e prontos para novos projetos de investimento que reforcem a nossa liderança de mercado e nos tornem mais fortes”, conclui Alexandre Fonseca na sua carta aos trabalhadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A carta de Alexandre Fonseca aos trabalhadores da Altice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião