96% dos professores querem totalidade do tempo de serviço

  • Marta Santos Silva
  • 5 Julho 2018

"Os professores estão com os seus sindicatos", afirmou Mário Nogueira, da Fenprof, acompanhado dos representantes de outros nove sindicatos. Greve mantém-se até encontro com o Governo.

A plataforma de dez sindicatos de professores que tem promovido a greve às reuniões de avaliação anunciou esta quinta-feira que mais de 96% dos docentes não abdica da recuperação da totalidade do tempo de serviço cumprido durante o período de congelamento das carreiras para efeitos de progressão.

Numa conferência de imprensa transmitida pela SIC Notícias, Mário Nogueira, dirigente da Fenprof, ladeado pelos líderes das restantes plataformas sindicais, anunciou que o referendo realizado junto dos docentes mostra que “os professores estão com os seus sindicatos”, acrescentando que a greve continuará até à próxima quarta-feira, 11 de julho, altura em que o Governo reabre as negociações com uma reunião no Ministério da Educação.

No entanto, a reabertura das conversas já começou de forma que os sindicatos de professores consideram negativa, já que o Governo reafirmou que estará disposto a recuperar dois anos, nove meses e 18 dias de trabalho durante o período de congelamento, que dizem ser o correspondente à progressão na carreira que foi recuperado para os trabalhadores das carreiras gerais. Os professores rejeitam essa equivalência, afirmando que não abdicam dos nove anos, quatro meses e dois dias que totalizam o congelamento.

O mesmo referendo mostrou que 68% dos professores favoreceria uma suspensão da greve às reuniões de avaliação se o Ministério reabrisse as negociações, mas este foi realizado antes da convocatória do Governo para reunir no próximo dia 11. Os sindicatos decidiram manter a greve até ao dia da reunião.

“Uma greve em que, apesar de terem, para alguns anos de escolaridade, sido convocados serviços mínimos, mesmo assim o número de reuniões não realizadas ontem é superior a 90%“, afirmou o sindicalista Mário Nogueira.

“Os professores estão com os seus sindicatos”, afirmou Mário Nogueira. “Vieram confirmar que estão com os seus sindicatos, que estão com as posições que em negociação os seus sindicatos têm assumido, e que estão com os seus sindicatos naquela que tem sido uma luta fortíssima”, continuou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

96% dos professores querem totalidade do tempo de serviço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião