Ministro aguarda “um passo” do lado dos sindicatos dos professores

O ministro considera que o próximo passo a dar nas negociações sobre a progressão nas carreiras deve ser dado pelos sindicatos dos professores. Isso estará para breve, diz o governante.

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, disse esta sexta-feira que espera “um passo do lado dos sindicatos” dos professores, garantindo que “existe o que negociar” e “vontade de negociar”. Um passo que o governante antecipa estar para breve: “Os sindicatos vieram dizer que têm vontade de apresentar uma carta ao Governo, relativamente a esse passo, imagino eu”, disse o ministro.

Tiago Brandão Rodrigues falava no Porto. Em direto na RTP3, o ministro recordou que o Governo “atenuou o que foram os congelamentos nas sucessivas leis de Orçamento do Estado desde 2011 a 2017” e que foi assinada uma “declaração de compromisso” com três pontos. “Nesse sentido, demos um passo”, afirmou, pelo que o próximo passo deve ser dado pelos sindicatos.

Os professores estão em greve às avaliações, reivindicando a contagem integral dos anos de carreira para efeitos de progressão salarial. Mas o Governo também permitiu aos estudantes com notas ainda não conhecidas que “pudessem ir condicionalmente a exame”.

Além disso, foram declarados serviços mínimos, pelo que Tiago Brandão Rodrigues garantiu que “está tudo alinhado para que as condições possam ser continuadas”, até “para que o início do próximo ano possa acontecer com a serenidade” necessária. “Os serviços mínimos estão acautelados para que todo o processo de acesso ao ensino superior possa acontecer com toda a serenidade”, acrescentou o ministro.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro aguarda “um passo” do lado dos sindicatos dos professores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião