Ministro aguarda “um passo” do lado dos sindicatos dos professores

O ministro considera que o próximo passo a dar nas negociações sobre a progressão nas carreiras deve ser dado pelos sindicatos dos professores. Isso estará para breve, diz o governante.

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, disse esta sexta-feira que espera “um passo do lado dos sindicatos” dos professores, garantindo que “existe o que negociar” e “vontade de negociar”. Um passo que o governante antecipa estar para breve: “Os sindicatos vieram dizer que têm vontade de apresentar uma carta ao Governo, relativamente a esse passo, imagino eu”, disse o ministro.

Tiago Brandão Rodrigues falava no Porto. Em direto na RTP3, o ministro recordou que o Governo “atenuou o que foram os congelamentos nas sucessivas leis de Orçamento do Estado desde 2011 a 2017” e que foi assinada uma “declaração de compromisso” com três pontos. “Nesse sentido, demos um passo”, afirmou, pelo que o próximo passo deve ser dado pelos sindicatos.

Os professores estão em greve às avaliações, reivindicando a contagem integral dos anos de carreira para efeitos de progressão salarial. Mas o Governo também permitiu aos estudantes com notas ainda não conhecidas que “pudessem ir condicionalmente a exame”.

Além disso, foram declarados serviços mínimos, pelo que Tiago Brandão Rodrigues garantiu que “está tudo alinhado para que as condições possam ser continuadas”, até “para que o início do próximo ano possa acontecer com a serenidade” necessária. “Os serviços mínimos estão acautelados para que todo o processo de acesso ao ensino superior possa acontecer com toda a serenidade”, acrescentou o ministro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro aguarda “um passo” do lado dos sindicatos dos professores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião