Reclamações nos transportes disparam. Culpa é dos preços

  • Lusa
  • 29 Junho 2018

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes recebeu no segundo semestre de 2017 mais de 9 mil reclamações. A CP lidera com preços e qualidade de atendimento a serem as principais queixas.

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) recebeu no segundo semestre de 2017 9.847 reclamações, mais 20,7 por cento face ao anterior semestre, com a CP e o Metropolitano de Lisboa a liderar as queixas.

De acordo com o relatório sobre reclamações no mercado público da mobilidade e dos transportes, hoje divulgado, do total das queixas, 9.070 dizem respeito a inscrições no livro de reclamações dos diversos operadores e prestadores de serviços e as restantes 777 foram recebidas diretamente na AMT.

As cinco empresas que apresentaram o maior número de reclamações foram a Comboios de Portugal (CP), com 2.214, o Metropolitano de Lisboa (1.205), a Transtejo (608), a Rede Nacional de Expressos (522) e a Carris (349).

Face ao número de reclamações recebidas no segundo semestre de 2017, verificou-se um aumento significativo de mais de 20,7% comparativamente com os primeiros seis meses do mesmo ano.

Este aumento equivale, de acordo com o relatório da AMT, a mais 1.689 reclamações, resultado de vários fatores, nomeadamente do aumento de utentes dos diversos serviços durante o período em análise, de uma maior consciencialização dos direitos dos consumidores e de uma maior facilidade de acesso ao livro de reclamações.

Comparando com o período homólogo de 2016 (segundo semestre), constata-se que existe um decréscimo do número de reclamações, descendo, assim, de 10.289 para 9.847 reclamações.

Ao analisar as reclamações no segundo semestre, por setor de atividade, a AMT conclui que, tal como nos semestres anteriores, os setores ferroviário e rodoviário representam a maioria das reclamações, com 85,1% do total, sendo 38,7% e 46,4%, respetivamente.

Os utentes queixaram-se, sobretudo, dos preços, do sistema de pagamentos e das bilheteiras, da qualidade do atendimento e do atendimento deficiente nos estabelecimentos e no atendimento telefónico, além do exercício da atividade e do exercício da atividade sem licença.

Fora do livro de reclamações foram recebidas diretamente pelos operadores de transporte de passageiros 20.335 reclamações, mais 13% face aos primeiros seis meses de 2017.

A Rede Nacional de Expressos (RNE), com 17,5% das reclamações dos transportes rodoviários de passageiros, lidera a tabela dos três prestadores que apresentam um maior número de reclamações.

A RNE apresenta um acréscimo significativo do número de reclamações face ao primeiro semestre de 2017 (mais 98 reclamações, o que representa um aumento de 23,1%).

Já a Companhia de Carris de Ferro de Lisboa, segunda da lista, com 11,7% das reclamações dos transportes rodoviários de passageiros, registou um decréscimo no número de reclamações face ao primeiro semestre de 2017 (menos 22 reclamações, representando menos 5,9%).

A Transportes Sul do Tejo (TST) apresentou 10,5% das reclamações dos transportes rodoviários de passageiros, o que face, ao semestre anterior, representa um acréscimo no número de reclamações (mais 115 reclamações, representando mais 58,4% no segundo semestre de 2017 em comparação com os seis meses anteriores).

O relatório refere ainda que houve um aumento significativo do número de reclamações contra os operadores de transporte em veículos ligeiros, táxis e plataformas eletrónicas de serviços de transporte, com um total de 106 queixas.

Neste subsetor, nem os prestadores em nome individual, nem as empresas têm estabelecimentos onde fazem atendimento ao público, pelo que não têm obrigação de possuir livro de reclamações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reclamações nos transportes disparam. Culpa é dos preços

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião