Acionistas do BPI aprovam saída de bolsa

O banco liderado por Pablo Forero vai mesmo sair de bolsa. Os acionistas aprovaram em assembleia geral com mais de 99% dos votos a perda de qualidade da sociedade aberta do BPI.

Já é oficial: o BPI vai mesmo sair de bolsa, 32 anos depois de se ter estreado. A saída do banco liderado por Pablo Forero foi aprovada por mais de 99% do capital presente na assembleia-geral realizada esta sexta-feira, sendo que o CaixaBank, sozinho, detém 94%. O último dia de negociação deverá acontecer nas próximas semanas.

“A assembleia geral assim constituída aprovou, por 99,26% dos votos expressos, a proposta do acionista CaixaBank de perda da qualidade de sociedade aberta do Banco BPI”, de acordo com um comunicado enviado pelo banco liderado por Pablo Forero à CMVM.

Estiveram presentes ou representados 26 acionistas, detentores de ações correspondentes a 95,08% do capital social do banco.

Foi a 6 de maio que o banco espanhol deu conta de já ter 92,935% do capital da instituição financeira liderada por Pablo Forero, anunciando na ocasião que iria convocar uma assembleia de acionistas do BPI para propor essa retirada. Desde então, tem reforçado a posição, controlando já mais de 94% do capital.

Agora que a saída de bolsa do BPI foi aprovada pelos acionistas, vai demorar ainda algumas semanas até que a saída seja efetiva.

Dividendos não podem exceder 50% dos lucros

Na reunião desta sexta-feira, em Serralves, foi ainda aprovada a nova política de dividendos do grupo. A partir de agora, os dividendos do BPI não deverão exceder os 50% dos lucros do banco.

O banco espanhol defende a “distribuição de um dividendo anual do exercício, tendencialmente situado entre 30% a 50% do lucro líquido apurado nas contas individuais do exercício a que se reporta”, como se podia ler na convocatória da Assembleia Geral. No mesmo documento era contudo referido que, o montante concreto a propor deve “ser definido à luz deu um juízo prudente que tenha em conta, face à situação concreta em que o Banco se encontre, a satisfação permanente de níveis adequados de liquidez e solvabilidade”.

Entre as condicionalidades a que esta distribuição está sujeita incluem-se o cumprimento dos rácios de capital ou a existência de “circunstâncias excecionais”.

Também aprovada foi a redução do número de membros do conselho de administração para o triénio 2017-20219, de vinte para dezoito. Esta redução acontece depois da saída em maio de Carla Bambulo e Vicente Tardio, representantes da Allianz que saiu do capital do BPI.

(Notícia atualizada às 10h43)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acionistas do BPI aprovam saída de bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião