Prisão não assegurava igualdade nas eleições. Tribunal ordena libertação imediata de Lula

A decisão judicial determina a libertação imediata do ex-presidente brasileiro, que deverá acontecer ainda este domingo.

O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, em Porto Alegre, no Brasil, aceitou um habeas corpus que pedia a libertação de Luiz Inácio Lula da Silva, avança a imprensa brasileira. O antigo presidente brasileiro foi condenado a uma pena de 12 anos e um mês de prisão, depois de ter sido considerado culpado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Na decisão publicada este domingo, o desembargador do tribunal de Porto Alegre conclui que a prisão de Lula da Silva o impede de exercer os seus direitos como pré-candidato à Presidência da República, o que resultaria em falta de igualdade política entre os vários candidatos que vão a eleições este ano. Esta circunstância poderia até “suprimir a própria participação popular” nas eleições, considerou.

“A ilegal e inconstitucional execução provisória da pena imposta ao ex-presidente Lula não pode lhe cassar os seus direitos políticos, tampouco restringir o direito aos atos inerentes à condição de pré-candidato ao cargo de Presidente da República”, considerou o desembargador, na decisão citada pelo jornal brasileiro O Globo.

A decisão judicial determina, por isso, a libertação imediata do ex-presidente brasileiro, que deverá acontecer ainda este domingo.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prisão não assegurava igualdade nas eleições. Tribunal ordena libertação imediata de Lula

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião