CTT apostam no comércio eletrónico com parceria com China Post. Vai poder receber as suas encomendas diretamente na caixa do correio

  • ECO
  • 12 Julho 2018

A parceria dos CTT com a China Post vai permitir aos consumidores receber as encomendas diretamente na caixa do correio, através de rastreamento online, sem ter de assinar.

Os CTT apostam no comércio eletrónico, nomeadamente de sites chineses, através de uma parceria com a China Post. O chamado serviço e-Packet permite receber as encomendas diretamente na caixa do correio, com confirmação de entrega, através de rastreamento online.

Com este serviço, que utiliza a informação Track & Trace, deixa de ser necessária a entrega presencial e a recolha de assinatura na casa do destinatário. Para o utilizar, basta ao consumidor escolher essa opção durante a compra. Vai estar disponível nos sites de e-sellers na rede da China Post, como alguns vendedores no eBay.

“A criação deste novo serviço com a China Post é um passo decisivo para posicionar os CTT no domínio do comércio eletrónico e de reforçar a aposta no crescimento dos volumes de e-Commerce com origem na Ásia, um segmento que está a crescer mais de 100% nos rendimentos em 2018 e é cada vez mais relevante para os CTT”, diz Francisco de Lacerda, presidente-executivo dos CTT, citado em comunicado.

Para além de facilitar a entrega, os Correios de Portugal indicam que este serviço irá agilizar o processo de desalfandegamento, porque a informação relevante passa a ser transmitida eletronicamente pela China Post. Os objetos volumosos que não caibam na caixa do correio poderão ser levantados nas lojas CTT.

O objetivo dos CTT é que “o crescimento anual do volume de negócios de e-commerce ronde os dois dígitos, pelo menos até 2020”. Francisco de Lacerda tinha já expressado o desejo de distribuir produtos da Amazon em Portugal, de forma a quebrar a dependência da distribuição de cartas e expandir as entregas de comércio online.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT apostam no comércio eletrónico com parceria com China Post. Vai poder receber as suas encomendas diretamente na caixa do correio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião