Diversificar compensa. 100 mil euros renderam 20% na última década

Diz a regra de ouro do investidor que não se deve colocar todos os ovos no mesmo cesto. Seguir esta estratégia de diversificação trouxe um retorno de 20% nos últimos dez anos, diz a CMVM.

É uma das regras de ouro de qualquer investidor: não colocar todos os ovos no mesmo cesto. E, para o caso particular do investidor português, adotar uma estratégia de diversificação de investimento significou retornos bastante atrativos na última década: uma aplicação de 100 mil euros trouxe um lucro de quase 20 mil euros a quem tivesse investido num cabaz composto por ações da bolsa nacional, dívida portuguesa, mas principalmente depósitos.

Foi a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) quem fez as contas aos ganhos que um investidor precavido poderia ter alcançado numa década (2007-2017) marcada por muitos sobressaltos nos mercados financeiros (com falências de bancos à mistura) e por um período de taxas de juro em mínimos históricos (ambiente promovido pelos bancos centrais).

“A grande maioria dos investidores decide (e bem) diversificar os seus investimentos, constituindo uma carteira que inclui várias aplicações financeiras”, refere o regulador português no Relatório Anual sobre os Mercados de Valores Mobiliários. “Usando dados sobre os patrimónios financeiros (ativos) do segmento de particulares de 2007, caso um investidor tivesse aplicado 100.000 euros no final de 2007 numa carteira constituída por depósitos a prazo (80,7%), obrigações do Tesouro (5,6%), certificados de aforro (5,6%) e ações cotadas (8,1%), essa carteira teria, passado uma década, um valor de 119.961 euros”, especifica a CMVM

Feitas as contas, “no período de dez anos, o investidor teria obtido uma rentabilidade acumulada de cerca de 20% (ou 7,3% em termos reais, descontando o efeito da inflação)”, calcula o polícia dos mercados liderado por Gabriela Figueiredo Dias.

Os gráficos em cima pormenorizam o rendimento de cada ativo ao longo do período de investimento. O gráfico da direita mostra como a taxa de variação da carteira esteve longe de ser constante na última década: o investidor chegou a perder dinheiro em 2008 (-0,3%) e atingiu ganhos máximos de 3,8% em 2009 e 2012.

A carteira deste investidor chegaria ao final de 2017 com uma composição diferente da inicial: os depósitos a prazo (82,2%) e as obrigações do Tesouro (7,8%) aumentariam o seu peso no portefólio de investimentos, as ações cotadas teriam menor representatividade (4,4%) e os certificados de aforro manteriam o seu peso (5,6%).

Lembra a CMVM que estas alterações na estrutura da carteira de ativos das famílias portuguesas nos últimos dez anos não se resumem apenas aos efeitos que decorreram das remunerações extraídas de cada aplicação financeira. “Alterações decorrentes da taxa de poupança têm igualmente impacto naquela estrutura”, diz o regulador.

Citando dados do Banco de Portugal, a CMVM recorda que a taxa de poupança caiu de 7,6% em 2007 para 5,2% dez anos mais tarde, “o que terá certamente impacto na composição da carteira”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Diversificar compensa. 100 mil euros renderam 20% na última década

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião