Ministro promete que adaptação dos hospitais às 35 horas estará concluída até ao final de julho

  • Lusa
  • 16 Julho 2018

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, disse que a transição do setor público da Saúde para o regime das 35 horas de trabalho semanais está a decorrer como o previsto.

O ministro da Saúde disse que a adaptação dos hospitais às 35 horas de trabalho semanais está a decorrer, garantindo que, até ao final do mês de julho, esta primeira fase estará “ajustada e estabilizada”.

“A secretária de Estado está atenta aos casos pontuais onde o ajustamento suplementar tenha de ser feito, isso está a decorrer e nós acreditamos que até ao final do mês de julho esta primeira fase estará ajustada e estabilizada”, afirmou aos jornalistas Adalberto Campos Fernandes, à margem da cerimónia de assinatura de protocolos entre a Direção-Geral da Reinserção e dos Serviços Prisionais e 28 instituições hospitalares do Serviço Nacional de Saúde, esta segunda-feira.

Questionado sobre adaptação às 35 horas de trabalho semanais, que entrou em vigor a 1 de julho nas instituições de saúde, o ministro avançou que “tem decorrido” como era previsto, tendo os hospitais “o seu programa em fase de adaptação”.

Desde o dia 1 de julho que alguns milhares de profissionais de saúde passaram do regime das 40 horas de trabalho semanais para as 35 horas, tendo o Ministério da Saúde avançado com a contratação de cerca de 2.000 profissionais este mês para cobrir as necessidades, depois de anunciar que contratou outros 1.600 profissionais até junho já tendo em conta os novos horários laborais.

Vários profissionais de saúde e também partidos políticos têm criticado o Ministério da Saúde por falta de planeamento atempado com a passagem das 40 para as 35 horas de trabalho semanais desde 1 de julho, considerando ainda que os profissionais que o Governo anuncia são insuficientes para cobrir as necessidades”. Sobre a contratação de médicos para o Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), Adalberto Campos Fernandes afirmou que “tudo o que havia a fazer está a ser feito”.

“Os hospitais têm capacidade para o fazer, as autorizações foram dadas, as ARS [Administração Regional de Saúde] estão a acompanhar, a secretaria de Estado da Saúde intervém quando há situações de algum tipo de bloqueio ou dificuldade que possa aparecer”, referiu, sublinhando que o Centro Hospitalar Lisboa Central está a fazer o seu trabalho.

No fim de semana foi noticiado que o Centro Hospitalar de Lisboa Central aguarda a autorização do Ministério da Saúde para a contratação de 54 médicos e de 145 profissionais de saúde, na maioria enfermeiros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro promete que adaptação dos hospitais às 35 horas estará concluída até ao final de julho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião