Travão aos despejos de idosos e deficientes entra em vigor

Os senhorios estão impedidos, até março de 2019, de denunciarem contratos de arrendamento se os inquilinos viverem há mais de 15 anos na mesma casa e tiverem 65 anos ou deficiência de 60%.

Foi publicada em Diário da República, esta segunda-feira, a lei que vem suspender os processos de despejo de pessoas idosas ou com deficiência, incluindo os que já estão em curso, até que sejam aprovadas as alterações à lei do arrendamento que estão a ser discutidas no Parlamento.

Segundo o diploma publicado esta segunda-feira, o travão a estes despejos entra em vigor a partir de dia 17 de julho, terça-feira. Ficará em vigor até 31 de março de 2019.

Este regime extraordinário e transitório para proteção de inquilinos idosos ou com deficiência, que residam na mesma casa há mais de 15 anos, foi apresentado pelo Partido Socialista e aprovado no Parlamento em maio. Foi promulgado já este mês pelo Presidente da República, que invocou “razões sociais” para dar seguimento ao diploma e proteger situações “de maior fragilidade e menor capacidade de resposta”.

"Ficam suspensas as denúncias já efetuadas pelo senhorio ou a oposição à renovação deduzida pelo senhorio, quando a produção de efeitos dessas comunicações deva ocorrer durante a vigência.”

Diário da República

Os senhorios ficam assim impedidos, até março do próximo ano, de se oporem à renovação ou de denunciarem contratos de arrendamento, quando os inquilinos em causa residam há mais de 15 anos na mesma casa e tenham idade igual ou superior a 65 anos ou grau de incapacidade igual ou superior a 60%.

“Ficam suspensas as denúncias já efetuadas pelo senhorio ou a oposição à renovação deduzida pelo senhorio, quando a produção de efeitos dessas comunicações deva ocorrer durante a vigência” desta lei, pode ler-se no diploma agora publicado.

Direito de preferência dos inquilinos reforçado

No final da semana passada, os partidos aprovaram, na especialidade, uma proposta do Bloco de Esquerda para reforçar o direito de preferência dos inquilinos em caso de venda dos imóveis.

O direito de preferência dos inquilinos já estava previsto na lei, mas é agora reforçado, uma vez que é clarificado que este direito existe mesmo que o edifício em causa não esteja constituído em propriedade horizontal. Isto é, mesmo que o edifício não esteja dividido em frações autónomas, registadas separadamente, os inquilinos têm direito de preferência sobre a fração em que habitam, caso o proprietário queira vendê-la.

O arrendatário tem direito de preferência na compra e venda ou dação em cumprimento do local arrendado, ainda que inserido em prédio não sujeito ao regime da propriedade horizontal“, pode ler-se no projeto do Bloco de Esquerda, que foi aprovado na especialidade e que ainda terá de ir a votação final global, no Parlamento, esta semana.

O projeto prevê ainda que, no caso de o proprietário querer vender várias frações em conjunto, tem de justificar o chamado prejuízo apreciável, ou seja, tem de comprovar que terá prejuízo se não vender os imóveis em conjunto. Para além disso, quando comunicar aos inquilinos a intenção de vender, o proprietário é obrigado a indicar o valor de cada um dos imóveis, bem como os valores atribuídos aos imóveis que são vendidos em conjunto.

O Bloco de Esquerda tinha também proposto que a nova lei se aplicasse a todos os contratos, mesmo que já tivessem sido feitas denúncias previamente. Esta proposta foi chumbada e a lei irá apenas aplicar-se a todos os contratos de compra e venda feitos a partir do momento em que entrar em vigor.

Fica assim de fora o caso da Fidelidade, a seguradora do grupo chinês Fosun que vendeu um portefólio de cerca de duas mil frações de imóveis espalhados por todo o país, sem ter dado aos inquilinos o direito de preferência sobre a fração que cada um deles ocupada. As frações, distribuídas por um total de 277 imóveis, foram compradas pelo fundo norte-americano Apollo, que propõe pagar 425 milhões por este portefólio imobiliário.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Travão aos despejos de idosos e deficientes entra em vigor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião