É oficial: Comissão Europeia aplica multa de 4,34 mil milhões de euros à Google

A Comissão Europeia aplicou à tecnológica uma multa superior a quatro mil milhões de euros por práticas de concorrência desleal. A Google vai recorrer da decisão.

A Comissão Europeia aplicou a maior multa de sempre. A Google foi condenada ao pagamento de 4,34 mil milhões de euros por práticas de concorrência desleal no sistema operativo Android, anunciou a Comissária Europeia para a Concorrência, esta quarta-feira. A empresa tem 90 dias para alterar as suas práticas de atuação, correndo o risco de mais sanções. A Google já afirmou que vai recorrer da decisão.

A Google usou o Android como veículo para consolidar o seu domínio como motor de busca. Essas práticas têm limitado aos concorrentes a hipótese de inovar e competir. A empresa negou aos consumidores europeus essas acusações. Isso é ilegal perante as regras anticoncorrenciais da UE”, disse Margrethe Vestager, Comissária Europeia para a Concorrência, adiantando que a Google tem um prazo de 90 dias para alterar os seus métodos de atuação no mercado, caso contrário enfrentará novas sanções de até 5% das suas receitas diárias.

De acordo com a mesma, o processo que envolve a Google assenta sobre três pontos específicos: exigiu aos fabricantes que pré-instalassem a aplicação de pesquisa Google Search e a aplicação de navegação (Chrome) como condição para a concessão de licenças da Play Store; pagou a alguns fabricantes de grande dimensão e a operadores de redes móveis, na condição de pré-instalarem em exclusividade a aplicação Google Search nos seus dispositivos; e impediu os fabricantes que pretendiam pré-instalar aplicações da Google de vender um só dispositivo móvel inteligente que fosse que funcionasse com versões alternativas do Android não aprovadas pela Google.

A comissária disse ainda que a tecnológica tem vindo a abusar da sua posição no mercado há sete anos: “A Google impediu que os fabricantes usassem qualquer versão alternativa ao Android que não fosse aprovada pela mesma. Para poderem pré-instalar nos dispositivos os aplicativos da Google, incluindo a Play Store e o Google Chrome, os fabricantes tiveram que se comprometer a não desenvolver ou vender um único dispositivo à exceção do Android”.

O que vai acontecer aos fundos arrecadados com esta multa recorde? Segundo a comissária, assumindo que a Google pagará o valor, o dinheiro será distribuído pelos Estados-membros da União Europeia com base em quanto contribui cada um para o orçamento comunitário. A comissária alerta, no entanto, que “isso poderá demorar se a Google apresentar recurso”. E a Google vai mesmo recorrer.

Questionada se esta decisão levará a empresa a aumentar os preços dos smartphones, Vestager respondeu que há várias formas de controlar o dinheiro e impulsionar o crescimento dos sistemas Android sem ser tornar os dispositivos mais caros.

Google vai recorrer: o Android “criou mais escolha para todos”

“O Android criou mais escolha para todos, não menos. Um ecossistema vibrante, inovação rápida e queda dos preços são sinais clássicos de uma concorrência robusta. Vamos recorrer da decisão da Comissão“, comentou a Google em comunicado, após o anúncio da Comissão Europeia.

Queremos que a Google mude os seus comportamentos porque são comportamentos errados e ilegais. O mercado tem regras e a Google deve reger-se por estas regras”, disse a comissária.

Foi há oito anos que a Google entrou para a mira da Comissão Europeia devido aos receios à volta do “domínio” que tem nos serviços de pesquisa online na Europa, onde detém cerca de 90% do mercado, escreve a Bloomberg (conteúdo em inglês). Desde então, foram abertas três investigações para perceber os métodos usados pela empresa para competir com a concorrência.

A tecnológica defende ainda que as aplicações concorrentes estão apenas a um download de distância, tornando impossível acabar com a concorrência, mesmo quando as aplicações da Google são instaladas logo de origem. Relativamente aos termos dos contratos, estes são classificados como “requisitos mínimos” para garantir que o Android funciona corretamente em todos os dispositivos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

É oficial: Comissão Europeia aplica multa de 4,34 mil milhões de euros à Google

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião