PCP foi recordista nos projetos de lei, mas BE aprovou mais

  • Lusa
  • 20 Julho 2018

O BE foi o partido com mais projetos de lei, 18, aprovados no parlamento na 3.ª sessão legislativa da XIII Legislatura, seguindo-se o PSD, com 16, e o PCP com 14, revelou a Assembleia da República.

O BE foi o partido com mais projetos de lei, 18, aprovados no parlamento na 3.ª sessão legislativa da XIII Legislatura, seguindo-se o PSD, com 16, e o PCP com 14, revelou esta sexta-feira a Assembleia da República.

De acordo com o balanço da atividade parlamentar da 3.ª legislatura, a Assembleia da República produziu, em votação final global, 44 leis, de setembro de 2017 a julho, meses em que se realizaram 107 reuniões plenárias e 989 reuniões de comissões.

O recordista na apresentação de projetos de lei foi o PCP, com 79, com mais seis do que o BE (76), seguindo-se o partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), com apenas um deputado (60), o CDS-PP com 42, o PEV com 39, o PS com 36, o PSD com 33 e ainda uma iniciativa de cidadãos.

Na hora de votar, o BE conseguiu aprovar 18, o PSD 16, o PCP 14, o CDS-PP e o PAN 12 cada um, o PS nove e o PEV cinco projetos de lei transformados em decreto, a forma que ganham os projetos ao sair do parlamento e antes de serem promulgados pelo Presidente da República.

Registe-se ainda a apresentação de dois projetos pelo PSD e pelo PS, outros dois assinados por PSD, PS, BE, CDS-PP, PCP e PEV, três por PSD, PS, BE, CDS-PP, PCP e PEV e um por PSD, PS, BE, PCP e PEV.

Da parte do Governo, que tem no parlamento uma sede para fazer passar leis, foram apresentadas 43 propostas de lei e foram aprovadas 28 ao longo dos últimos 11 meses.

A Assembleia Legislativa Regional da Madeira entregou cinco propostas de lei, enquanto a dos Açores não entregou nenhuma.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP foi recordista nos projetos de lei, mas BE aprovou mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião