Feedzai ajuda Credorax a combater fraude no e-commerce

Através de uma plataforma recorrendo à Inteligência Artificial, os utilizadores podem realizar transações online de forma instantânea e mais segura.

Duas empresas, cada um com a sua mais-valia, uniram-se para combater a fraude no comércio online, recorrendo à Inteligência Artificial (IA). É o caso da Feedzai, uma nacional líder na área da IA aplicada à gestão de risco financeiro, e da Credorax, tecnológica que atua como banco comercial. A arma secreta passa pela criação de uma plataforma de machine learning, concebida para ajudar os utilizadores a realizarem transações de forma mais segura.

O objetivo é bastante simples: “Estar um passo à frente de um mercado de comércio online cada vez mais complexo”, explica a Feedzai, em comunicado. Por norma, a tecnológica não costuma revelar as empresas com as quais faz parceria mas, desta vez, é aberta uma exceção para “dar um sinal ao mercado“, explica a startup portuguesa ao ECO.

“A Credorax tem orgulho na parceria iniciada com a Feedzai na aplicação de soluções de IA que protegem melhor os nossos comerciantes e os seus clientes”, diz Igal Rotem, da Credorax. “Continuamos a dedicar recursos significativos para ajudar a resolver questões complexas e estamos confiantes de que, trabalhando juntos, vamos estimular o crescimento na economia digital“.

Como explicam ambas as empresas, o mundo do comércio online tem necessidade de lidar com uma quantidade de dados cada vez maior, provenientes de um número cada vez maior de canais. Isto tudo, ao mesmo que se aprimoram os praticantes de fraudes, tornando-se mais agressivos e sofisticados nos ataques. E todos podem ser um alvo: bancos, comerciantes e clientes.

Neste sentido, a plataforma de IA concebida pela Feedzai e pela Credorax vem revolucionar essa luta contra a fraude financeira, permitindo aos clientes “realizar transações de forma instantânea e segura“. Através desta tecnologia, as plataformas de comércio, bancos e outras instituições financeiras podem ser dotadas com melhores defesas, permitindo “filtrar dados massivos e detetar atividades fraudulentas, minimizando o risco de falsos positivos”.

“A Feedzai e a Credorax passam a fornecer a melhor solução para os comerciantes que necessitam de uma poderosa plataforma de gestão de risco e prevenção de fraude para proteger os seus clientes de uma forma integrada”, conta Nuno Sebastião, CEO da Feedzai. “Com a nossa tecnologia a apoiar a Credorax, estamos a ajudar a manter os pagamentos seguros, garantindo, ao mesmo tempo, o seu processamento em tempo real — algo especialmente importante num mundo onde a palavra digital significa no imediato”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Feedzai ajuda Credorax a combater fraude no e-commerce

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião