Anacom dá razão à Meo em litígio com Vodafone sobre oferta para acesso a postes

  • Lusa
  • 8 Agosto 2018

Segundo a ANACOM, "não há fundamento" para a Vodafone ter deixado "unilateralmente" de pagar os valores referentes à ocupação dos postes da Meo.

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) deu razão à Meo (Altice) no litígio com a Vodafone, considerando que “não há fundamento” para esta última ter deixado “unilateralmente” de pagar os valores referentes à ocupação dos postes da Meo.

“Na sequência da análise efetuada, a Anacom entende que, não tendo havido quaisquer alterações à versão 3.1 da ORAP [oferta de referência para acesso a postes], em vigor, não há fundamento para que a Vodafone tenha deixado unilateralmente de proceder ao pagamento dos valores referentes à ocupação dos postes da Meo e associados aos ‘drops’ [cabos] de clientes que foram instalados, contrariando a atuação que adotou, de forma voluntária, até o fim do mês de julho/início de agosto de 2017″, lê-se na decisão publicada no ‘site’ do regulador.

De acordo com a decisão, aprovada a 2 de agosto, a Anacom deliberou “determinar à Vodafone o cumprimento imediato das regras previstas na versão 3.1 da ORAP no que diz respeito aos procedimentos relativos à instalação de ‘drops’ de cliente, cessando a prática atual”.

Além disso, tem de apresentar à Meo “os pedidos de instalação de ‘drop’ de cliente ao abrigo do serviço de intervenção”, bem como informar a operadora da Altice Portugal “sobre todos os ‘drops’ de cliente que instalou desde agosto de 2017 até ao presente, identificando-os corretamente em cadastro” e “efetuar o pagamento dos montantes referentes à ocupação dos postes da Meo associados aos ‘drops’ de cliente”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Anacom dá razão à Meo em litígio com Vodafone sobre oferta para acesso a postes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião