CGTP: Queda do desemprego é positiva mas precariedade continua a aumentar

  • Lusa
  • 8 Agosto 2018

"A insegurança relativamente à manutenção do posto de trabalho é assim uma realidade para 42% dos jovens com menos de 35 anos", disse Arménio Carlos.

A CGTP considerou esta quarta-feira positiva a diminuição do desemprego no segundo trimestre do ano, mas destacou que a precariedade continua a aumentar, atingindo cerca de 900 mil trabalhadores, dos quais mais de metade são jovens.

Apesar de considerar “positiva” a descida do desemprego, a CGTP sublinha, em comunicado, que a evolução “não altera o facto de a precariedade continuar a aumentar, tanto face ao trimestre homólogo, como ao trimestre anterior, atingindo cerca de 900 mil trabalhadores, cerca de 475 mil dos quais jovens”. “A insegurança relativamente à manutenção do posto de trabalho é assim uma realidade para 42% dos jovens com menos de 35 anos”, destaca a intersindical liderada por Arménio Carlos.

A CGTP sublinha ainda que “grande parte dos empregos criados são mal pagos”, lembrando o último relatório de acompanhamento do salário mínimo nacional, onde é crescente “a proporção de postos de trabalho criados com o salário mínimo nacional (passou de 23% no início de 2014 para mais de 40% no primeiro trimestre de 2018)”.

Os dados do INE mostram que “mais de 300 mil trabalhadores que continuam desempregados” e que “a subutilização do trabalho ascende a perto de 720 mil pessoas”. Já o desemprego de longa duração, embora em queda, “continua a abranger mais de metade dos desempregados”, frisa a CGTP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGTP: Queda do desemprego é positiva mas precariedade continua a aumentar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião