Envio de candidaturas de emprego através do telemóvel está a aumentar

A procura de trabalho está a mudar, mas não só. A forma como se envia a candidatura também. Em quase 64 mil candidaturas, 13.645 são enviadas através do telemóvel.

Não é novidade que a forma de trabalhar está a mudar ou que os próprios currículos, que são cada vez mais personalizados e com recurso às novas tecnologias, estão a sofrer transformações com o objetivo de serem mais atrativos e destacarem-se no meio de tantos outros. Já lá vão os tempos em que os currículos se entregavam em mão ou enviam por carta registada e originavam pilhas de folhas de papel.

Cada vez mais o currículo segue em anexo num email ou é diretamente enviado através das plataformas de procura de trabalho. Mas a grande novidade está no meio que se utiliza para fazer submissão das candidaturas de emprego.

De acordo com a Michael Page Portugal, as candidaturas através do telemóvel que estão a aumentar cada vez mais. O estudo efetuado pela consultora especializada em recrutamento mostra que num universo de 63.901 pessoas que se candidataram a oportunidades de trabalho em Portugal, entre abril e junho do presente ano, 13.645 foram realizadas através do telemóvel. “Os telemóveis são, de facto, parte do nosso quotidiano, uma ferramenta e uma preciosa ajuda na pesquisa e na candidatura ao mercado de trabalho”, refere Álvaro Fernandez, diretor geral da Michael Page Portugal, em comunicado.

Os números mostram que, de 2017 para 2018, houve um aumento de mais de 59% de candidaturas submetidas com recurso a este dispositivo. Esta mudança é a prova de que as empresas precisam de se adaptar às novas tendências de mercado dos consumidores. Para Álvaro Fernandez é cada vez mais importante que as empresas dirijam as ofertas a pensar na forma como as pessoas “atuam no momento de se proporem a um emprego”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Envio de candidaturas de emprego através do telemóvel está a aumentar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião