Taxa de países em ‘default’ em 2017 foi quatro vezes maior que a média desde 1983

  • Lusa
  • 6 Agosto 2018

República do Congo, Moçambique, Venezuela e Belize foram responsáveis pela subida da média de incumprimentos, de acordo com o último relatório da Moody's.

O número de países em incumprimento financeiro (default) no ano passado, entre os quais Moçambique, foi quatro vezes maior do que a média registada desde 1983, disse esta segunda-feira a agência de notação financeira Moody’s.

“Quatro governos entraram em incumprimento financeiro em 2017, representando 15,2 mil milhões de dólares de dívida“, escreveram os analistas da agência de ‘rating’, precisando que a República do Congo, Moçambique, Venezuela e Belize foram os países que causaram uma subida da média de defaults para 3,1% no ano passado, “quatro vezes mais que a média anual de incumprimentos entre 1983 e 2017”.

Os incumprimentos foram causados “pela materialização do aperto nas condições financeiras nas balanças de pagamento soberanas, aumento da dívida pública e dificuldades na balança de pagamentos como resultado de uma descida dramática do preço dos petróleo entre 2014 e 2016, e por riscos políticos específicos dos países“, escreveu Elena Duggar, uma diretora da Moody’s, numa nota a que a Lusa teve acesso.

Para este e o próximo ano, a Moody’s antecipa que os principais fatores de risco na avaliação dos créditos soberanos estarão ligados “ao crescimento global, restrições nas condições financeiras globais e crescimento dos riscos políticos“, salientando que “a maior percentagem de Perspetivas de Evolução Positivas e Estáveis em meados de 2018 reflete a melhoria na análise dos riscos de crédito”.

No entanto, vincaram, “a sustentabilidade da dívida deteriorou-se fortemente nalguns países no fundo da escala de rating“.

A Moody’s antecipa que “o crescimento mundial vá abrandar no final de 2018 e em 2019 à medida que as economias mais avançadas se aproximam do pleno emprego, que os custos de financiamento aumentam e que as condições de crédito se restringem”, concluiu Elena Duggar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxa de países em ‘default’ em 2017 foi quatro vezes maior que a média desde 1983

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião