Ministra da Justiça diz que cidadãos vão poder consultar online o estado dos seus processos judiciais

Ministra da Justiça faz balanço do seu mandato. Sublinha que a solução de legislar para resolver "está esgotado" e que o está e tem de mudar são os métodos de trabalho nos tribunais.

A reforma da Justiça é um “on going process” mas as políticas seguidas até aqui têm sido “contraditórias” e orientaram-se “muito por amplas intervenções no domínio legislativo. E esse modelo está esgotado”. As palavras são da ministra da Justiça Francisca Van Dunem que assume, sem reservas, que o caminho que escolheu enquanto responsável pela pasta é o de “legislar menos, mas legislar melhor, legislar com mais ponderação da necessidade, melhor articulação e mais clareza”.

Em entrevista publicada no Boletim da Ordem dos Advogados (BOA), a ministra avança ainda que os cidadãos envolvidos em processos — sejam arguidos, réus ou queixosos — poderão consultar o estado dos processos “desde que naturalmente, a lei permita a sua consulta” naquilo que a ministra considera “uma medida ímpar no que respeita ao aumento da transparência e da aproximação do sistema de Justiça ao cidadão”.

Para isso, precisarão apenas de um mecanismo de autenticação no cartão do cidadão ou da chamada chave móvel digital. Este modelo já está a ser usado nos processos executivos (de cobrança de dívidas) em que é permitido às partes (devedores, credores ou agentes de execução) fazer a consulta on-line desses processos, “com acesso a uma visão geral dos montantes em causa nos vários processos em que estejam envolvidos, podendo, no caso de dívida, pagar apenas através de uma referência multibanco. Uma medida que serviu e serve de “ensaio”, nas palavras de Francisca Van Dunem para os restantes tribunais: judiciais, administrativos e tributários.

A ministra faz ainda um balanço da reativação dos 20 juízos de proximidade que voltaram a ter competência na área criminal – abrangendo assim 244.231 cidadãos — e na área de família e menores, com um ‘alvo’ de 882.554 cidadãos.

A ministra voltou a não explicar ou responder se o valor das custas judiciais (valor que os cidadãos pagam quando recorrem aos tribunais) será mais baixo daqui para a frente, depois do projeto de resolução aprovado pela Assembleia da República que recomenda ao Governo a redução dessas mesmas custas. Explicando apenas que “o valor arrecadado em taxas de justiça caiu cerca de quatro milhões de euros de 2016 para 2017, cifrando-se nos 66,4 milhões de euros. Já os encargos com o apoio judiciário, no mesmo período, mantiveram-se na ordem dos 60 milhões de euros”.

A ministra fala ainda nas estatísticas da Justiça sublinhado que na jurisdição comum, os tribunais portugueses registaram, no final de 2017, “a menor pendência dos últimos 10 anos, situando-se, pela primeira vez, abaixo de um milhão”.

Segundo as estatísticas da Justiça relativas ao quarto, e último, trimestre de 2017 a ministra explica ainda que se confirma “uma trajetória consistentemente descendente das pendências processuais, que passaram de 1 milhão e 300 mil no quarto trimestre de 2015, para 983 mil, no quarto trimestre de 2017, o que traduz uma redução global de mais de 300 mil processos e uma descida acumulada de 25 pontos percentuais. Esse sentido descendente observa-se na generalidade das áreas cível, criminal, laboral e tutelar e, ainda que em grau menos acentuado, também nas áreas administrativa e tributária”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministra da Justiça diz que cidadãos vão poder consultar online o estado dos seus processos judiciais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião